27 October 2009

Testemunho Gerald McCann – 10 Maio 2007


PROCESSO 201/07.0GALGS - páginas 891 a 903, Volume IV AUTO DE INQUIRIÇÃO DE TESTEMUNHA

Data da diligência: 2007/05/10 Hora: 15H20 Local: DIC Portimão

Funcionário que executa: J*** C***** e R** G********, ambos Inspectores

Nome: GERALD PATRICK MCCANN (devidamente identificado nos autos)

Informado sobre as relações familiares ou equiparadas com o arguido enunciadas no artº 134, nº1 do C.P.P., e da faculdade que lhe pode, por isso, assistir, disse que não se verifica nenhuma dessas relações.
Passa a prestar depoimento.

À matéria dos autos disse:

----- Vir aos autos na qualidade de participante e ofendido, como pai da menor MADELEINE. Sendo de nacionalidade britânica desconhece a língua Portuguesa na sua forma oral e escrita, encontrando-se assim presente a intérprete A**** D*** H**** d* G****** A******.

----- Que confirma na íntegra as declarações que prestou neste Departamento Policial no pretérito dia 04/05/2007, encontrando-se disponível para prestar quaisquer esclarecimentos adicionais.

----- Indagado, esclarece que, para além das fotografias pessoais que já entregou às autoridades policiais após o desaparecimento da sua filha MADELEINE, não tem mais nenhuma em seu poder. Acrescenta que é a sua esposa KATE que costuma tirar fotografias, sendo que no presente período de férias não se recorda de ter tirado fotografias durante o período nocturno.

------ Por lhe ter sido perguntado, refere que, no ano de 2003 (Janeiro), se deslocou a Lanzarote, em Espanha, na companhia de FIONA e DAVID PAYNE, onde passaram uma semana de férias, sendo que nessa altura ainda não tinham filhos. Nessa altura, apesar de ainda não terem filhos, a KATE encontrava-se grávida de 6 meses da MADELEINE, sendo que a gravidez foi através de fertilização in vitro. Ainda no ano de 2003 (Setembro), deslocou-se a Itália, à região de Umbria, na companhia da sua esposa KATE, dos casais MATHEW e RACHEL, RUSSEL e JANE, onde passaram uma semana de férias, a fim de assistir ao casamento da FIONA e DAVID PAYNE. O depoente esclarece que a viagem a Lanzarote foi organizada por si próprio, uma vez que tinha lá estado um ano antes, juntamente com a KATE e tinham gostado muito, sendo que a viagem a Itália, foi organizada pela FIONA e o DAVID PAYNE, uma vez que era o seu casamento.

----- Relativamente aos factos ocorridos em Portugal, conforme já referiu nas suas anteriores declarações, chegou ao Aeroporto de Faro no pretérito dia 28/04/2007, pelas 12H30, tendo-se deslocado de imediato para o "OCEAN CLUB", num mini-bus cedido pelo Aeroporto, onde chegou pelas 14H20/14H30.

----- Que se dirigiu para a recepção do "OCEAN CLUB", onde forneceu os seus documentos, os da KATE e dos seus três filhos, efectuando o Chek-in. Foi-lhe então entregue a chave do apartamento "A5", tendo a escolha do referido apartamento sido da integral responsabilidade da gerência do "OCEAN CLUB" e efectuada de forma aleatória, uma vez que, segundo sabe, não foi dada essa possibilidade ao DAVID PAYNE, que foi que mais tratou directamente das reservas.

----- Acrescenta que, a única imposição do grupo, foi ficarem em apartamentos que ficassem perto uns dos outros, uma vez que, contrariamente ao que lhes tinha sido comunicado através da brochura da viagem, o complexo turístico não dispunha de "baby listening", que se trata de um serviço constituído por um grupo de funcionários que têm por função "vigiar" as crianças que se encontram a dormir no interior dos apartamentos, nos períodos em que os pais se ausentam. Não sabe como se processa essa vigilância na prática, uma vez que nunca usufruiu desse serviço, mas sabe que outros empreendimentos do "MARK WARNER", possuem essa valência, sendo que alguns dos elementos que constituem o grupo, já teriam tido acesso a esse serviço em períodos de férias anteriores, não sabendo precisar quem. Refere que, por esta razão, o DAVID PAYNE decidiu usar os intercomunicadores pessoais para monitorizar os seus filhos, sendo que nunca o tinha feito durante os anteriores períodos de férias que passaram juntos.

----- Que, no primeiro dia, uma vez que chegaram durante a hora de almoço, comeram apenas sandes, quer no avião, quer no autocarro, durante o trajecto entre o aeroporto e o "OCEAN CLUB". Após efectuarem o chek in na recepção principal, onde foram deixados pelo mini-bus, o que demorou até às 15H00, dirigiram-se para o apartamento onde retiraram os seus artigos/objectos pessoais do interior das malas, o que terá ocupado a tarde até às 16H45. De salientar que, após efectuarem o Chek in, o trajecto com as malas para o apartamento foi efectuado num mini-bus disponibilizado pelo empreendimento.

----- De seguida, pelas 17H00, dirigiu-se todo o grupo, crianças incluídas, para o restaurante "TAPAS", situado nas traseiras do apartamento, junto a piscina, a fim de assistirem a um comité de boas vindas, organizado pela "MARK WARNER", e onde estavam presentes os professores de ténis, de vela, entre outros funcionários daquele empreendimento, o que terminou pelas 18H30, tendo-lhes sido servidos copos de sangria.

----- Que este foi o primeiro trajecto pedonal que fizeram todos juntos no interior e imediações do empreendimento. Saíram pela porta da frente, fechou-a a chave, contornou o muro ali existente e virou à direita, descendo a rua lateral ao empreendimento até à recepção secundária, onde entraram sem dificuldade, ainda que tivessem um cartão de circulação, o qual não lhes foi pedido e que lhes tinha sido entregue durante o Chjek in.

----- Após transporem a recepção secundária, dirigiram-se ao restaurante "TAPAS", junto a uma das piscinas, tendo os adultos se sentado numa área coberta, mas exterior, enquanto que as crianças ficaram junto a piscina pequena, a brincarem numas estruturas que ali estão colocadas. Que, durante este período de tempo, todos os adultos se levantaram para irem vigiar as crianças junto do local onde estas se encontravam. Tanto o depoente como a sua esposa, alternaram nessa vigia.

----- Terminado o comité de recepção, dirigiram-se a pé para o restaurante "MILLENIUM", os nove adultos e as oito crianças. Fizeram o trajecto inverso até à recepção secundária, aí viraram a esquerda e, no final desta rua, à direita, depois na próxima a esquerda, novamente direita, até a rua principal, que permite aceder ao restaurante. Por ser um trajecto longo, a determinada altura o depoente e a esposa KATE tiveram de levar os gémeos ao colo, ao contrário da MADELEINE, que foi sempre a pé.

----- Chegaram ao destino entre as 18H50 e as 19H00, tendo-lhes sido montada uma mesa de grandes dimensões, onde estiveram todos a jantar, incluindo as crianças, que se sentaram entre os adultos, nunca abandonando aquele local, exceptuando um dos gémeos, que foi à casa de banho com o depoente. Cerca de uma hora depois, terminaram o jantar, regressando igualmente a pé pelo mesmo trajecto, tendo contudo se enganado numa das ruas, onde deveriam virar à esquerda, acabando por apenas virar na seguinte. Acrescenta que, por estarem muito cansados, se dirigiram directamente para o apartamento, onde chegaram pelas 20H10/20H15, tendo este trajecto sido ligeiramente mais rápido que o anterior, uma vez que trouxeram sempre os gémeos ao colo.

----- Já no interior do apartamento, deram banho as crianças e um copo de leite, tendo-as deitado precisamente às 20H45, recordando-se desta hora, uma vez que era exactamente uma hora mais tarde daquela que é habitual. Após deitarem os filhos, o depoente e a sua esposa tomaram banho, dirigindo-se de seguida para a sala da residência para ver televisão. Salienta que, no momento em que chegaram à residência, o DAVID PAYNE convidou-os para irem beber um copo de vinho, após deitarem as crianças, tendo estes recusado, uma vez que se encontravam extremamente cansados. Pensa que ninguém do grupo terá saído dos apartamentos na primeira noite. Perguntado, disse que, não estando de férias, em Inglaterra, o depoente e a sua esposa, vão para a cama às 22H30/23H00, os gémeos às 19H00 e a MADELEINE às 19H30.

----- No dia seguinte (Domingo), as crianças acordaram às 08H00, sendo que o depoente e a sua esposa acordaram pelas 07H30. Vestiram-se e, cerca das 08H40, saíram do apartamento em direcção ao restaurante "MILLENIUM", mais uma vez a pé e pelo mesmo trajecto, da noite anterior, mas sem o lapso que anteriormente referiu, tendo chegado pelas 08H45/09H00. O grupo não chegou todo ao mesmo tempo, tendo chegado de forma faseada, pelo que não se sentaram todos na mesma mesa.

----- Pensa que o MATHEW e a sua esposa RACHEL, não terão tomado o pequeno almoço, em virtude do primeiro ter passado mal a noite com vómitos e diarreia. Ao pequeno almoço, as crianças sentaram-se igualmente à mesa entre os adultos, tendo este terminado pelas 09H25.

----- O depoente, a esposa KATE e os seus três filhos, dirigiram-se para o "OCEAN CLUB" pelo mesmo trajecto, onde chegaram pelas 09H40, tendo o depoente entrado no seu apartamento pela porta principal, a qual se encontrava fechada à chave, retirando um saco com roupa e cremes para as crianças, dirigindo-se para o interior do empreendimento. Os gémeos ficaram na "creche" junto ao "TAPAS", que se destina a crianças de um a dois anos de idade e, em seguida, o depoente e a KATE, levaram a MADELEINE para outra "creche ", própria para crianças de maior de idade, a qual se situa no 1º piso da recepção principal do empreendimento, onde chegaram pelas 09H50. Para além da MADELEINE, do grupo, apenas a E***, filha da JANE e do RUSSEL, frequentava igualmente esta "creche". As demais crianças, por serem muito jovens, ficavam na "creche "junto ao "TAPAS".

----- Mais uma vez fez o trajecto apeado, saindo da recepção secundária, virou à direita, desceu a rua, passando pelo supermercado "BATISTA", virando à esquerda, passando pela recepção principal. Após colocarem as crianças nas "creches ", dirigiram-se ao supermercado “BATISTA”, onde compraram para o almoço e pequeno almoço seguintes.

----- Pelas 12H30, o depoente e a KATE, foram buscar primeiro a MADELEINE e depois os gémeos, dirigindo-se para o apartamento. Neste dia, Domingo, almoçaram na varanda do apartamento do DAVID PAYNE, juntamente com todo o grupo, incluindo crianças, exceptuando o MATHEW, que se encontrava doente e, nesse momento, estava a dormir na varanda do seu apartamento, que fica por baixo e à esquerda, em relação ao local onde almoçavam.

----- Dirigiram-se para a zona de recreio das crianças, junto à piscina, onde se encontravam as estruturas, quando eram 14H15, tendo permanecido naquele local até cerca das 14H20. Após essa hora, deixaram os gémeos na "creche" do "TAPAS" e, ou o depoente, ou a KATE, não sabe precisar, levaram a MADELEINE para a "creche" situada por cima da recepção principal, seguindo o trajecto já descrito. Esclarece que, a hora de entrada e de saída das crianças ficava registada em cada um das "creche", bem como, o número de contacto e a localização dos respectivos pais.

----- Pelas 17H00, as educadoras do "OCEAN CLUB", conduziram a MADELEINE e as restantes crianças que se encontravam na "creche" situada no 1º piso da recepção principal, para junto do "TAPAS", por baixo de uns toldos, onde jantaram, sob a vigilância dos funcionários e, às vezes, dos próprios pais. O jantar terminou pelas 17H30, altura em que cessou a vigilância das funcionárias, sendo agora o depoente e a sua esposa que as vigiavam na zona de recreio do "TAPAS" até às 18H30. De seguida, regressaram ao apartamento, o depoente abriu a porta principal com a chave e, logo depois, a porta das traseiras, por onde entrou a KATE e os seus filhos.

----- Efectuada a higiene, as crianças foram-se deitar quando eram cerca das 19H30, sendo que o depoente e a KATE, saíram para jantar no "TAPAS", pelas 20H30. Entre as 19H30 e as 20H30, tomaram banho e beberam vinho, português ou neozelandês, e uma cerveja.

------ Que saíram de casa pela porta principal, que tem a certeza que fechou a chave, sendo que a porta das traseiras se encontrava igualmente fechada e trancada. Foram os primeiros a chegar ao "TAPAS", onde compareceu todo o grupo, exceptuando apenas o MATHEW, que ainda estava doente. Todavia a sua esposa RACHEL, compareceu ao jantar. Exceptuando a situação atrás descrita, que ocorreu durante a hora de almoço, não viu o MATHEW durante todo o dia de Domingo.

----- O jantar terminou pelas 23H00, sendo que, durante este período, de meia em meia hora, o depoente e a KATE foram ao apartamento, de forma alternada, a fim de confirmar se estava tudo bem com as crianças. Nesse dia, somente o depoente e a sua esposa KATE é que entraram no apartamento. Tem a certeza que entraram sempre pela porta da frente, não sabendo indicar se à saída a trancavam com a chave. Normalmente, entravam no apartamento, que se encontrava com uma das luzes da sala ligada, dirigiam-se à porta do quarto das crianças, que se encontrava entreaberta e limitavam-se a espreitar para o interior, procurando ouvir se as crianças estavam a chorar. Os estores estavam fechados, apenas com duas ou três frestas abertas, a janela fechada, embora não saiba precisar se estava trancada, e os cortinados corridos. Dez minutos após o fim do jantar, dirigiram-se para o apartamento, deitando-se logo de seguida.

----- Nos dias seguintes, tomaram sempre o pequeno almoço em casa, fazendo as compras de véspera, tendo mantido genericamente a rotina diária anteriormente descrita. Quando as crianças estavam nas "creches" tinham aulas de ténis, a KATE as 09H15 e o depoente uma hora depois, de Segunda a Quinta-feira.

----- Segundo se recorda, na Terça-feira, dia 01/05/2007, por indicação do RUSSEL, foi buscar a MADELEINE à "creche" através de um atalho, que se inicia no parque de estacionamento situado em frente à recepção secundária e que segue entre as habitações ali existentes, por onde passou a levar e a trazer a sua filha.

----- No tocante a rotina, na terça-feira houve uma ligeira alteração, uma vez que, depois de almoço, pelas 13H30, o depoente e a KATE decidiram levar os três filhos à Praia da Luz, tendo ido a pé, levando apenas os gémeos nos carrinhos para bebé. Saíram todos pela porta principal por causa dos carrinhos, contornaram a direita, desceram a rua do supermercado "BATISTA", e foram para a praia por uma artéria que acede directamente.

------ Na praia mantiveram-se cerca de 20 minutos, tendo inclusive o depoente e a sua filha MADELEINE colocado os pés dentro de água. Decorrido este tempo e porque as condições meteorológicas se alteraram, com céu encoberto e frio, foram para uma esplanada de um café junto a praia, à esquerda, onde compraram cinco gelados e duas bebidas. Perguntado, disse que no local se encontrava um indivíduo a tocar uma guitarra, música latina, a quem até pretendia dar uma moeda, mas como não possuía no momento, não o fez. Que este indivíduo tinha um aspecto desleixado e descuidado, com a barba por fazer e algo andrajoso. Era caucasiano, 175 cm de altura, magro, 70 a 75 kg de peso, cabelo escuro e curto, quase rapado e pelo lado grisalho e que não usava óculos. Vestia um kispo de cor castanha, claro, com um capuz sobre as costas e calças de ganga escuras, não reparando nos sapatos. Disse que ele nunca teve um comportamento estranho, nem abordou ou olhou para as crianças de forma ostensiva. De regresso, deixaram as crianças nas "creches", como habitualmente, tendo o depoente e a sua esposa ido jogar ténis ou fazer jogging.

----- No dia em que MADELEINE desapareceu, quinta-feira, dia 03/05/2007, acordaram todos ao mesmo tempo, entre as 07H30 e as 08H00. Quando estavam a tomar o pequeno almoço, a MADELEINE dirigiu-se à mãe e perguntou-lhe "porque é que não vieste à noite, quando eu e o S*** estávamos a chorar?" (SIC). Que achou este comentário bastante estranho, uma vez que a MADELEINE nunca tinha tido este tipo de conversa e, na noite anterior, tinham mantido o mesmo sistema de vigilância sobre as crianças, não tendo detectado nada de anormal. Quando a questionou sobre este comentário, ela afastou-se sem qualquer explicação.

----- Na noite de quarta-feira, dia 02/05/2007, para além do depoente e a sua esposa, pensa que o DAVID PAYNE também se terá deslocado ao seu apartamento, a fim de confirmar se os seus filhos estavam bem, não lhe tendo reportado qualquer situação anormal com as crianças. Neste dia, o depoente e a KATE já deixavam a porta das traseiras fechada, mas não trancada, por forma a possibilitar a entrada dos seus colegas de grupo, a fim de vigiarem as crianças. Esclarece que a porta de entrada principal ficava sempre fechada, mas não necessariamente trancada com a chave. Desconhece se a janela que ladeia a porta principal e que dá acesso ao quarto das crianças, estava trancada, uma vez que presumiu que os estores não poderiam ser abertos do exterior. Ainda nesta noite, a KATE dormiu no quarto das crianças, na cama junto à janela, porque o depoente estava ressonar.

----- Não sabe indicar com precisão, mas pensa ter sido na segunda ou terça feira, a MADELEINE, esteve a dormir alguns instantes no seu quarto, com a KATE, uma vez que aquela lhe disse que um ou os dois gémeos estavam a chorar, causando muito ruído.

----- Voltando a quinta-feira, após o pequeno almoço, cerca das 09H00, a KATE e as crianças saíram pela porta das traseiras, tendo o depoente saído pela porta da frente, que trancou com a chave, tendo igualmente fechado e trancado, por dentro, a porta das traseiras.

----- Dirigiram-se pelo caminho habitual e a pé, até a "creche " junto do "TAPAS", onde deixaram os gémeos, e, enquanto a KATE ficou a jogar ténis, o depoente foi levar a MADELEINE à sua "creche ", através do atalho, onde chegou pelas 09H15, e, como era obrigatório, assinou o livro de registo de entrega da filha. No regresso, sem ser pelo atalho, foi ao supermercado "BATISTA", comprou leite, presume, dirigindo-se para o seu apartamento, entrando pela porta da frente, que estava fechada à chave, quando eram 09H40/09H45.

------ Permaneceu em casa cerca de 15 minutos, vestindo roupa para ir jogar ténis, saiu pela porta da frente, que não fechou a chave, e dirigiu-se para os courts de ténis pelo caminho habitual, já que estes ficam junto ao "TAPAS". Durante uma hora esteve a jogar ténis com o professor e outros alunos, entre os quais se encontra um indivíduo que conheceu durante este período de férias, de nome "JEZ", com o qual não estabeleceu propriamente uma relação de amizade, mas sim um trivial conhecimento. O "JEZ" tem dois filhos menores, cuja idade não sabe precisar. Quanto à esposa desse, refere que chegou a vê-la junto à piscina, mas nunca falou com ela.

----- Terminada a aula de ténis pelas 11H15, manteve-se na zona de piscina, conversando com a sua esposa outras pessoas, que não se recorda. Pelas 12H00, combinou com a KATE, pelo que se recorda, que ela fazia o almoço e o depoente iria buscar a MADELEINE. Pensa que, terá sido a KATE quem levou os gémeos para casa. Sendo o depoente que foi buscar a MADELEINE,
seguramente que fez os trajectos através do atalho.

----- Pelas 12H30, começaram a almoçar, tendo esta refeição se prolongado durante uma hora, até às 13H30. Após esta hora, dirigiram-se para a área de recreio do empreendimento, tendo o depoente saído pela porta da frente e a restante família pela porta das traseiras que, mais uma vez, fechou e trancou por dentro. Quanto à porta da frente, não sabe precisar se a fechou à chave.

----- Que ficaram na área de recreio durante aproximadamente uma hora, até às 14H30/14H35. Logo após, deixaram os gémeos junto à "creche" do "TAPAS", assinaram o registo e dirigiram-se os três (depoente, KATE e MADELEINE), para a "creche " da recepção principal, onde chegaram pelas 14H50 e entregaram a MADELEINE, não conseguindo precisar quem assinou o livro de registos.

----- O depoente e KATE regressaram ao "OCEAN CLUB" pelo atalho e uma vez na recepção secundária, perguntaram à funcionária se existia alguma vaga para reservar o court de ténis. Nesta altura, foram informados que existia uma vaga entre as 14H30 às 15H30. Como já eram 15H00, iniciaram de imediato a prática desportiva. Pelas 15H30, chegou o professor de ténis, que lhes ministrou uma aula, até às 16H30.

------ Permaneceram naquele local até as 16H45 a conversar, altura em que os gémeos foram para a zona das refeições. Pelas 17H00, como era habitual, chegou a MADELEINE acompanhada das educadoras e de outras crianças. Após a chegada, a MADELEINE jantou, tendo terminado pelas 17H30.

------ Após as 17H30 foram para o apartamento, tendo o depoente entrado pela porta principal, que não fechou à chave, enquanto esteve no interior da residência. A KATE e as crianças entraram pela porta das traseiras, após esta ter sido aberta por dentro pelo depoente.

------ Que deram banho às crianças, tendo o depoente saído às 18H00, para um jogo de ténis só entre homens, ao qual compareceram: DAN, professor de ténis; JULIAN, com quem praticou ténis por diversas vezes; e CURTIS, com quem também já tinha jogado.

------ Durante a tarde desse dia, os restantes elementos do grupo, incluindo as crianças, foram à praia, tendo regressado pelas 18H30, altura em que viu o DAVID PAYNE junto ao court de ténis. O DAVID foi visitar a KATE e as crianças e regressou perto das 19H00, tentando convencer o depoente a continuar a jogar ténis, ao que não acedeu, em virtude de já se encontrar a jogar à cerca de uma hora e ter de regressar para junto da sua esposa. Ainda assim, RUSSEL, DAVID e MATHEW ficaram a jogar.

----- Pelas 19H00, dirigiu-se para o apartamento, encontrando-se a KATE e as crianças a brincar no sofá. Cerca de 10 a 15 minutos depois, levaram as crianças para o quarto e sentaram-se todos na cama da MADELEINE a ler uma história. Pelas 19H30, já estavam os gémeos nos respectivos berços e a MADELEINE na cama junto à porta de entrada do quarto. Não sabe se estavam a dormir, mas pelo silêncio, presume que sim. Como ainda era cedo, o depoente tomou banho, pensa que a KATE já o tinha feito, conversaram um bocado e beberam vinho ou cerveja.

----- Pelas 20H35, saíram do apartamento em direcção ao "TAPAS". Ainda antes de saírem, e porque a porta do quarto das crianças estava entreaberta como sempre, abriu-a mais um pouco, encostou o ouvido no exterior e, como estava tudo em completo silêncio, nem sequer entrou, voltando a encostar a porta para a posição anterior, com um espaço de cerca de 10 cm.

----- Tem a certeza que, antes de sair de casa, o quarto das crianças estava todo escuro, com a janela fechada, mas não sabe se trancada, os estores corridos mas com algumas frinchas abertas e os cortinados também corridos. Perguntado, refere que, durante a noite, a luz artificial proveniente do exterior é muito fraca, pelo que, caso não esteja ligada a luza da sala ou da cozinha, a visibilidade no interior do quarto é muito reduzida. Apesar do que referiu nas suas declarações anteriores, refere agora e tem a certeza, que saiu com o KATE pela porta das traseiras, que consequentemente ficou fechada, mas não trancada, uma vez que tal só é possível pelo interior. Relativamente à porta da frente, embora tenha a certeza que estava fechada, é pouco provável que estivesse fechada à chave, uma vez que saíram pela porta das traseiras.

----- Fizeram o percurso normal até ao "TAPAS", onde chegaram pouco depois das 20H35, não tendo neste trajecto se cruzado com ninguém conhecido ou detectado algo de anormal. Perguntado, disse que os jantares ficaram logo marcados desde a Segunda-feira, já que era pretensão do grupo ali fazerem as refeições. Foram os primeiros do grupo a chegar, sentando-se na maior mesa, como habitualmente, a qual se situa no meio entre as outras mesas, sob um toldo, com uma superfície em plástico transparente à frente. Refere que se sentaram à mesa, numa posição que permitia ao depoente vislumbrar quase a totalidade da porta traseira do seu apartamento, por onde saíam e entravam e que dava acesso à sala.

----- Adianta que, além de outras pessoas de que não se recorda, estava numa das mesas pequenas, o casal CARPENTER, que também conheceu a jogar ténis e com falaram até começarem a chegar os outros elementos do grupo. Não se recorda da ordem de chegada, mas tem a ideia que terá sido o MATHEW e a RACHEL, os primeiros a chegar após o depoente. Com o decorrer do tempo foram chegando os restantes elementos do grupo, até ao total dos nove adultos. Pelas 21H00, o MATHEW levantou-se da mesa, dizendo que ia ver os filhos. Contudo, não disse que iria ver os filhos do depoente, tendo, só depois do desaparecimento da MADELEINE lhe dito que às 21H00, os estores da janela do quarto das crianças estava fechado. Pelas 21H05, o MATHEW regressou, altura em que o depoente se levantou da mesa, para ir verificar como se encontravam os seus filhos.

----- Efectuou o trajecto normal até a porta das traseiras, a qual estando aberta, somente teve de a deslocar, sendo que, à medida que foi entrando na sala, verificou que a porta do quarto das crianças estava, não entreaberta conforma a tinha deixado, mas sim aberta até meio, o que considerou estranho, tendo então colocado a hipótese da MADELEINE se ter levantado para ir dormir para o seu quarto, de forma a evitar o ruído produzido pelos irmãos. Nesta medida, entrou no quarto das crianças e estabeleceu contacto visual com cada uma delas, verificando e tem a certeza disso, que os três dormiam profundamente. Saiu do quarto das crianças, voltando a encostar a porta como já anteriormente referiu, dirigindo-se a casa-de-banho. Tudo o resto estava normal, estores, cortinados e janelas fechadas, muito escuro, só existindo a luz que provinha da sala.

----- Acrescenta que não entrou em mais nenhuma divisão da residência, onde permaneceu apenas cerca de dois a três minutos, saindo de seguida outra vez pela porta das traseiras, que fechou, mas não trancou. Esclarece que regressou sem ver as crianças de qualquer outro casal, até porque tal não lhe foi solicitado.

----- Após sair pelo portão lateral, e quando se dirigia para entrada da recepção secundária, a menos de 10 metros de distância do referido portão, verificou que o "JEZ" ia a subir aquela rua no passeio contrário, trazendo consigo um carrinho de bebé com o seu filho mais novo. Atravessou a rua na direcção do "JEZ", que subia pelo lado direito, sentido ascendente, tendo ambos conversado durante cerca de 3 a 4 minutos, sobre ténis, férias e crianças. Enquanto se manteve a conversar com o "JEZ", não viu ninguém do grupo, nem detectou qualquer indivíduo ou veículo suspeito. Por lhe ter sido especificamente perguntado, refere que, durante este período de tempo, não viu com toda a certeza a JANE passar naquele local, embora esclareça que se encontrava a falar de frente para o "JEZ", de costas para o outro passeio, onde se situa o seu apartamento. Refere também que o "JEZ" nunca lhe disse que tinha visto qualquer pessoa, uma vez que ele se encontrava de frente.

----- De seguida, regressou ao "TAPAS", entre as 21H10 e as 21H15, tendo o jantar decorrido dentro da normalidade. Como a movimentação das pessoas na mesa era frequente, não sabe se quando regressou, estava alguém ausente, nomeadamente a JANE. Pelas 21H30, o depoente chamou à atenção a KATE para o facto de estar na hora de ir ver as crianças, tendo o MATHEW de imediato se voluntariado para a substituir, uma vez que ela estava a conversar. Três a quatro minutos depois, o MATHEW regressou, dizendo apenas "está tudo calmo" (SIC), tendo este entrado pela porta das traseiras, uma vez que não tinha chave e era habitual, entrarem por esse local.

----- Após a chegada do MATHEW e antes da saída da KATE, não se recorda se alguém se terá ausentado, embora seja bastante provável que tal terá sucedido. Pensa que, nessa noite, nenhum dos adultos ou das crianças se encontrava doente. Perguntado, refere que a filha do RUSSEL e da FIONA, terá estado doente na Terça-feira.

------ Decorrida meia hora, sem nada a assinalar, sendo 22H03, voltou a alertar a KATE que estava na hora de ir ver a crianças. Essa acedeu de imediato e dirigiu-se ao apartamento pelo caminho normal, tendo entrado pela porta das traseiras. Cerca de 10 minutos depois, começou a estranhar a demora e, no momento em que o depoente se preparava para se levantar, e ir ver o motivo da demora, a KATE apareceu a correr, completamente destroçada e a chorar, dizendo que a MADELEINE tinha desaparecido e que tinha a certeza porque já tinha procurado pela casa toda.

----- O depoente seguiu a correr para o interior do apartamento, sendo acompanhado pelos restantes elementos do grupo que, na altura, se encontravam sentados à mesa. Quando chegou ao quarto, em primeiro verificou que a porta se encontrava completamente aberta, a janela também aberta para um dos lados, os estores subidos, quase na totalidade, os cortinados afastados, a cama da MADELEINE estava vazia, mas os gémeos continuavam nos berços a dormir. Esclarece que, segundo lhe comunicou a KATE, foi este o cenário que ela encontrou, quando chegou ao apartamento.

----- Em seguida, fechou os estores, dirigiu-se para o exterior e tentou abri-los, o que conseguiu, sendo uma surpresa, uma vez que pensava que tal apenas era possível a partir do interior. Continuaram com as buscas no exterior, à volta dos vários blocos de apartamentos, tendo o depoente solicitado ao MATHEW que se deslocasse a recepção secundária para o facto fosse comunicado a Polícia local, pois não tinha qualquer dúvida de que a sua filha tinha sido raptada. Refuta de forma peremptória a hipótese de que a MADELEINE possa ter saído do apartamento pelos seu próprios meios.

----- O depoente tinha ficado com a ideia errada de que o MATHEW tinha visto os estores do quarto fechados, quando ali se deslocou pelas 21H30, razão pela qual pensava que o desaparecimento se teria processado entre as 21H30 e as 22H00, sendo que, actualmente, está pelnamente convicto que o rapto terá ocorrido no período compreendido entre a sua visita das 21H05 e a visita do MATHEW às 21H30. Só cerca da 01H00 do dia 04/05/2007, é que teve conhecimento através do RUSSEL que a sua companheira JANE, pelas 21H10, teria visto um indivíduo a cruzar o cimo da rua com uma criança ao colo, que poderia ou não ser a sua filha MADELEINE. Perguntado, refere que não se recorda de ter descrito em concreto o tipo de pijama (cor, desenhos, etc.) que a MADELEINE tinha vestido no momento em que desapareceu. A fotografia da sua filha MADELEINE, após ter imprimido várias, na recepção do hotel, entregou aos elementos desta Polícia que se deslocaram ao local, bem como, a outras pessoas ali presentes.

----- Perguntado, referiu que, para além do seu próprio apartamento, a MADELEINE só chegou a entrar no apartamento do DAVID e FIONA, ainda que fosse hábito frequentarem os apartamentos uns dos outros.

----- Que, entre segunda e quarta-feira, não sabendo precisar a data, quando saíam da residência pela porta principal, para colocarem as crianças nas respectivas "creches ", a MADELEINE saiu a correr pela esquerda, em relação ao extremo oposto dos blocos residenciais onde se encontravam alojados, brincando com os gémeos. Que terão descido junto à extremidade mais afastada de um desses blocos, não sabendo precisar qual, tendo as três crianças chegado a entrar para um dos jardins que existem nas traseiras. De seguida, seguiram pelo corredor interior existente nas traseiras, junto às sebes, até à rua que dá acesso à recepção secundária.

----- Nega peremptoriamente que alguém do grupo possa estar directa ou indirectamente envolvido no desaparecimento da sua filha. Presume que, quando a sua esposa o alertou para o seu desaparecimento, todos os elementos do grupo estariam sentados à mesa. Refere que, também durante o jantar, nenhum dos elementos se queixou de estar doente ou manifestou algum comportamento estranho, reinando um ambiente de descontracção.

----- Durante o período de férias, não alugou ou pediu emprestado qualquer veículo automóvel, não tendo igualmente utilizado táxi ou outro meio de transporte. Esclarece ainda que, a única vez que a MADELEINE os acompanhou à praia, foi a que acima descreveu, embora a criança tenha ido à praia da Luz mais três vezes, uma delas para velejar, mas sempre na companhia dos funcionários da "creche". Duas destas deslocações, concretizaram-se após a data em que ali se deslocou na companhia dos pais. Que, relativamente a esses episódios, nunca lhe foi dito pela MADELEINE que algo estranho tinha acontecido.

------ Perguntado, refere que, na quinta-feira, dia 03/05/2007, não estava ninguém sentado na mesa, estranho ao grupo, sendo que não conhece qualquer pessoa com o nome "IRWIN".

----- Ainda relativamente à cama onde a sua filha se encontrava na noite em que desapareceu, refere que essa dormiu destapada, como era habitual quando estava calor, com a roupa dobrada para baixo. Relativamente à cama do quarto das crianças que se encontrava junto à janela, refere que a mesma não apresentava quaisquer sinais evidentes de que alguém ali tenha colocado os pés, nomeadamente, sujidade ou marcas de calçado.

----- No que concerne à vigilância de meia em meia hora feita as crianças, surgiu por inspiração do sistema que a "MARK WARNERS" possui e que se designa por "baby listening", tal como já anteriormente referiu. Na noite em que ocorreram os factos, comeu peixe ao jantar e salsichas e batatas de entrada, bebendo vinho branco. Normalmente, entre o período das 20H30 e o final do jantar, bebiam mais ou menos garrafa de vinho por pessoa.

----- Perguntado, refere que a KATE nunca lhe transmitiu qualquer ideia de que teria "um mau pressentimento" relativamente a esta viagem.

----- Não possui qualquer tipo de suspeita, nem tem inimigos, situação esta que se aplica igualmente à sua esposa KATE. Que, no decurso da sua profissão, nunca cometeu qualquer erro, nem de nada foi culpado, exceptuando uma vez, no decurso do ano 2000, em que um indivíduo desconhecido entrou no hospital onde trabalhava, efectuando ameaças sem qualquer nexo nem justificação e chamando pelo seu nome.

E mais não disse. Lido o auto o achou conforme, ratifica e vai assinar.

Para constar se lavrou o presente auto que vai ser assinado.


Gerald Patrick McCann Statement English Translation here


8 comments:

  1. Eu gosto de outro estou encontrando que o redesign deste local muito difícil o navegar é muito desconcertante.

    I like others am finding the redesign of this site very difficult to navigate it is very Confusing.

    Letter from Iberia

    ReplyDelete
  2. De todos estes depoimentos ha um dado que ressalto por me parecer "absolutamente estranho"- a precisao das horas: 8:45, 11:15, 22:03, etc.
    Ja todos nos temos experiencia do que sao feris e sobretudo erias com criancas: perdemos anocao do dia do mes, do dia da semana e completamente a nocao das horas. Daqui so posso concluir que as horas sao uma mentira e portanto tudo o resto ou grande parte do resto pode ser tambem mentira, propositadamente fabricado para credibilizar tanta hora detalhada. Em ferias, mesmo as actividades programadas pelos empreendimentos, nunca sao cumpridas com precisao devido ao caracter de relax em que as pessoas se encontram. Ha sempre alguem fora de horas, sobretudo no Algarve ( e isto nao e uma critica, e o constatar da boa realidade que Portugal e em ferias- um lugar para relaxar).
    Alem disso, Mitchell para justificar as inconsistencias detectadas nos depoimentos do grupo, feitos na noite em que Maddie desapareceu, disse que era natural que as horas nao batessem certo porque em ferias eles no usavam relogios. Alguem mentiu, ou todos mentiram. Acho que havia um alinhamento previamente programado pelo grupo, sobre qual era a tese que deviam passar a policia, a do rapto, e portanto cada um inventou a sua historia com esse objectivo e para a credibilizarem cometeram o erro de dar detalhes a mais- as horas, o virar a esquerda numa rua e depois a direita, etc, etc, foram erros que atiram todo o depoimento para o caixote das mentiras. So faltou dizerem quantas pedras pisaram pelo caminho, quantas ervas, etc, etc. Ninguem que tenha vivido um acontecimento lembra com tanto detalhe coisas tao banais.
    Depois vem o que veio a tona em muitos jornais no inicio da investigacao e que foi rapidamente abafado: Barra da Costa na RTP, assumia como verdade absoluta, a dedicacao do grupo aos habitos do Swing. Nao sei se com fundamento ou nao, mas na realidade e estranho que o grupo viage sistematicamente junto para ferias. Que motivos justificam tanta feria conjunta? Nao sera por certo so a grande amizade que os une. Tem de haver algo mais... e para mim, e nesse algo mais que reside o eventual pacto de silencio do grupo e a decisao que eventualmente tomaram sobre o que fazer a Madeleine. Perante o irremediavel ( a morte acidental de Madeleine) tiveram de procurar a solucao que safasse o grupo do escandalo que seria a revelacao dos seus habitos.
    Tambem no inicio da investigacao, se comentou que R. O'Brien ou Mathew O.( Nao me lembro qual dos dois) ja tinha estado no Algarve e tinha amigos ligados ao Surf. Estes amigos podem ter ajudado fornecendo dados de locais isolados na zona, de maior profundidade do oceano, de comportamento das ondas, etc, ainda que inocentemente e sem saberem para que.
    A somar a todos estes estranhos depoimentos vem o facto do casal conhecer demasiadas zonas isoladas no Algarve, para alguem que vem pela primeira vez a Portugal, que esta no pais ha 5 dias e que faz um depoimento com dias tao cheios de actividades. Ha de certeza, residentes na zona que ficaram a saber da existencia de determinados locais depois do caso Maddie e porque os mccann, apesar de terem perdido uma filha continuavam com cabeca para fazerem coisas tao superfluas como jogging e tenis, ou tao banais como chamarem as TVs para mostrarem ao mundo que tambem liam historias e brincavam com os gemeos. Gestos tao fabricados e tao ridiculos que mesmo estes mereciam uma profunda e seria investigacao.( cont)

    ReplyDelete
  3. Cont...
    O que e certo e que a mentira e a estrategia funcionou e eles la estao, com um Fundo milionario e a perseguirem e processarem quem se atravessa no seu caminho. Tudo porque a justica portuguesa e feita de homens e mulheres fracos, que preferem ser etiquetados de corruptos, incompetentes, a enfrentarem os prevaricadores e os trazerem a barra dos tribunais. Escolhem o caminho mais facil, o de menos trabalho, mesmo que acabem enxovalhados.
    Sim.... ENXOVALHADOS... porque quando se diz que a justica e a PJ foram incompetentes, essas entidades tem pessoas e nomes por tras que nao se aglutinam simplesmente em G. Amaral. Chamam-se, Alipio Ribeiro, Pinto Monteiro, Alberto Costa, Paulo Rebelo, Magalhaes e Menezes, G. Encarnacao, P. Frias, etc. etc. Tanta gente sem caracter que sabe que 10 milhoes de portugueses sabem como e impossivel o rapto naquelas condicoes, naquele pouco tempo, que sabem com que conclusoes foi arquivado o processo porque as files da PJ sao publicas, e mesmo assim permitem que um ex-colega, um ex-funcionario, seja perseguido e linchado em publico. Esta gente nao engrandece Portugal e nao merece o minimo respeito do povo. O minimo que podem fazer para re-moralizarem a situacao, e re-abrirem o processo e com uma investigacao isenta e em sede propria- num tribunal- re-avaliarem pistas, interrogatorios, re-constituicoes, de modo a que se apure a verdade. Com Mccann's e amigos obrigados a responder a interrogatorios, a fazerem re-constituicoes e com os policias a terem voz, afinal tiveram parte activa no processo e nao foi porque se tivessem posto em fila, ansiosos por fazerem parte da investigacao. Foi porque foram convocados e se foram convocados, quem os convocou reconheceu neles merito e capacidades para conduzirem a investigacao.
    Investigacoes destas nao sao dadas a principiantes nem a incompetentes, e convenhamos que 20 anos a desempenhar uma funcao, sao anos a mais e promocoes a mais para que quem destacou G. Amaral estivesse a destacar um incompetente. PORTANTO ASSUMAMOS QUE ELE NAO E UM INCOMPETENTE E NAO FOI POR INCOMPETENCIA QUE FOI AFASTADO. So pode ter sido por incomodo... Como e que juizes, ministros, procuradores, chefes da PJ, que sao pais, avos, seres humanos, que sabem quao indefesas sao as criancas, podem linchar alguem que procura a verdade sobre o que tera acontecido a uma crianca, assumidamente negligenciada noite apos noite, num quarto de hotel de um pais cuja lingua a crianca nao domina?
    Quais sao os valores que esta justica defende? os da crianca, ou os dos pais que por mais poderosos, famosos, bonitos ou instrudos que sejam, e um facto... naquela noite, nao sei o que foram... mas nao foram pais de certeza, porque deixaram os seus filhos abandonados a sua sorte, a merce de um acidente ou de um crime. Se eu quiser ser tao mesquinha e tao fria quanto os agentes da justica portuguesa, posso dizer que so Madeleine ter desaparecido naquela noite, nao foi azar, foi sorte. Podiam ter desaparecido as 3 criancas Mccann ou todas, incluindo as dos Tapas 7. O que teriamos hoje? 5 Fundos em vez de um? 8 ou 9 on-line stores a venderem e a explorarem a imagem de cada crianca? 5 processos contra o mesmo inspector? A Carter-Ruck e os advogados portugueses a auferirem os honorarios de 5 Fundos de uma assentada? Equipas de detectives a proliferarem espontaneamente, fazendo das policias oficiais objectos de decor das esquadras, mesmo que efectivamente nao produzam nem tragam nenhuma luz para a solucao do crime? O mundo inteiro envolvido em avistamentos, muitos no mesmo dia e a mesma hora, em pontos do globo diametralmente opostos? a vida inteira? ( Cont)

    ReplyDelete
  4. Cont...
    Se eu fosse o Rei de marrocos exigia um pedido formal de desculpas ao governo portugues por albergar tanto pedofilo, tanto raptor , tanto feio e sem caracter, ligado ao reino magrebino. E que ja nao ha pachorra, parece que em marrocos e nas arabias em geral, nao ha gente boa. e o Algarve, deve estar contaminado de Bunkers e tocas para albergar tanto pedofilo, tanto chefe de gangs, sem serem detectados pela policia nem por quem reside no Algarve. E andamos nos preocupados com o PDM e com a proliferacao dos imoveis no litoral. Temos e de nos preocupar com os bankers e as tocas que ilegalmente proliferam no interior Algarvio e fazem do Algarve um Afeganistao, com gente complectamente indetectavel. E a Espanha? Que corredor, que verdadeiro caminho de Santiago para pedofilos, raptores e criancas raptadas. Tambem passam todos, como peregrinos abandonados a sua sina de nao serem detectados. Se nao fosse o ridiculo da teoria e o tragico da circunstancia, eu diria que estao aqui os motes para muitos anos de historias infantis aterrorizadoras, sem gigantes e bruxas, mas com homens morenos, feios, maus que se dedicam ao comercio de criancas como no tempo dos escravos. Venham a feira das loiras, sao raras, com defeito num olho, ainda mais raras. Quem nao adoraria comprar uma crianca loira com um defeito no olho? E pagar milhares de euros por ela? para a exibir publicamente e ser reconhecida ate por criancas mais novas que ela ou encarcerada num banker para desfastio de alguns ou de muitos, de todos os que conhecem o segredo e dificilmente o calarao a vida inteira? Ja sei... vao comecar a aparecer pedofilos mortos. E a unica forma de perpetuar um segredo... matar quem sabe, eliminar quem conhece o segredo. Complicado demais para um pedofilo profissional quando ha paises onde as criancas sao mais acessiveis e sao ate comercializadas pelos pais, por viverem no limiar da pobreza. Ah, este pedofilo e de gostos requintados... tinha de ser aquela, e levou menos de 5 dias a descobri-la e a obte-la numa zona pouco turistica do Algarve e em epoca baixa. Que grande estrelinha deve ter este pedofilo, e por certo um totalista do Euromilhoes... tamanha sorte, so mesmo um deus menor lha concede.( Cont.)

    ReplyDelete
  5. Cont....
    Ja vai longa a minha revolta por ver o meu pais tao estupidamente ridicularizado e descredibilizado internacionalmente. E ainda pedem aos investidores estrangeiros que invistam em Portugal? Quem quer investir num pais com tamanho cartao postal? Quando digo que sou portuguesa, logo vem a Maddie e a historia dos pais deixados sair do pais com um Fundo Milionario e a certeza quase absoluta de ser fraudulento. La vem a historia do policia perseguido e acusado por estar a exercer o seu trabalho e os superiores nao o defenderem. E agora, acrescentam a historia do pais ser governado pela Carter Ruck e por um casal Iingles que consegue proibir um livro, confiscar bens e calar pessoas, proibindo-as de se defenderem em todo o mundo? Que pais e esse que permite que cidadaos sejam impedidos de se defenderem? Um direito consagrado pela constituicao de paises pobres, com grande deficit de democracia mas que em Portugal e convenientemente ignorado. Ate os pobres e sem abrigo tem direito a sua defesa, por isso existem advogados nomeados pelo estado e suportados pelos contribuintes, para o fazerem. E sao julgados em tribunal, nao nos gabinetes de advogados ou nas secretarias dos tribunais. E sao privadamente informados das decisoes dos tribunais e nao atraves das TVs ou dos jornais. TODA ESTA HISTORIA E UM ULTRAJE A MORAL DE CADA PORTUGUES.
    O 24 horas traz a noticia de um Amaral tramado em Franca pelos Mccann e de um grupo de europeus empenhados em criar um Fundo para apoiar Amaral e lhe devolver alguma dignidade. Nao sei se a noticia e verdadeira, atendendo a que tem a assinatura Levy. Mas acho que e tempo de cada um se mobilizar e fazer por ele o que o Estado nao foi capaz de fazer, porque hoje foi ele, amanha podemos ser nos os que vamos ser censurados, obrigados a ficar calados, proibidos de nos defendermos. Se Portugal nao defende os seus cidadaos em territorio portugues, muito menos os defende alem fronteiras.
    Nao deixou de ser motivo de chacota, a leitura hoje em alguns jornais de como Portugal vai empenhar a diplomacia e o MNE para resolver o drama de Alexandra, a menina Russa. Diz a comunidade Russa: e o que e que fizeram pela Maddie? Nada!!! entao o governo Russo ha-de dizer a Portugal que trate da vidinha dos seus cidadaos, porque eles sabem bem como resolver os problemas dos cidadaos russos, nao os abandonam a merce de outros paises ou do apoio de cidadaos anonimos.

    ReplyDelete
  6. I dont care what these people are saying or have declared: the only valid thing left to do is the RE OPENING OF THE CASE

    ReplyDelete
  7. According to Father Pacheco's statement, there was a "ritual" when the key of the church was given to the Mccanns.
    Although Pacheco knew the couple already, praying with them, he did do give them directly the key.
    Pacheco gave it to the Anglican minister, the minister gave it to a third (English man ?)person and this third person gave it to the Mccanns.
    Pilatos washing his hands?
    None of the two first men wanted the responsibily of delievering the key directly to the parents.

    Why?

    Was the body hidden in the church?

    ReplyDelete
  8. Correction


    "...he did NOT give directly"..."

    and not "he did do give"

    ReplyDelete