28 October 2009

Testemunho Russell O'Brien – 11 Maio 2007


PROCESSO 201/07.0GALGS - páginas 934 a 941, Volume IV
AUTO DE INQUIRIÇÃO DE TESTEMUNHA


Data da diligência: 2007/05/11 Hora: 11H20 Local: DIC Portimão

Entidade que preside: M**** J*** R*****, Inspectora

Funcionário que executa: J*** C*******, Inspector

Nome: Russell James O’Brien
Filiação: James Robert O’Brien e Enid Dorothy O’Brien
Natural Freguesia: Inglaterra
Concelho: Inglaterra
Nacionalidade: Inglesa
Data de nascimento: 1970/11/26
Residência: Exeter
Estado Civil: União de Facto
Profissão: Médico

Informado sobre as relações familiares ou equiparadas com o arguido enunciadas no artº 134, nº1 do C.P.P., e da faculdade que lhe pode, por isso, assistir, disse que não se verifica nenhuma dessas relações.
Passa a prestar depoimento.

À matéria dos autos disse:

--------- Por ser um cidadão inglês, e não perceber a língua portuguesa nem falada nem escrita, faz-se acompanhar neste acto de uma tradutora, A**** D*** A******.

--------- Confirma na integra as suas anteriores declarações, as quais e por corresponderem à verdade se dão como reproduzidas para os devidos e legais efeitos.

--------- Questionado sobre como conheceu os restantes elementos do grupo que o acompanhou nestas férias, refere que conhece o David Payne desde 1989, tendo frequentado a mesma Universidade, onde ambos cursaram Medicina. Também trabalharam durante algum tempo no mesmo Hospital, embora em especialidades diferentes. Conheceu a Fiona Payne através do David Payne, casal que contraiu matrimónio há cerca de 4 anos, tendo o depoente sido o padrinho.

--------- Conheceu Matthew Oldfield em 1994, por ambos serem médicos, pelo que contraíram amizade e começaram a conviver, tendo o depoente sido o padrinho de casamento de Matthew Oldfield e Rachael Mampilly em 1999.

--------- Conheceu o Gerald (Gerry) McCann mais recentemente, em 2002 ou 2003, sendo que o Gerald McCann é também médico. Os contactos entre eles foram estabelecidos essencialmente através do casal Payne. Os quatro casais juntam-se quando têm oportunidade mas, como vivem afastados uns dos outros, aproveitam os períodos de férias para estarem juntos e conviverem. Todos os casais têm filhos com idades aproximadas, o que é também um factor de aproximação.

--------- Questionado sobre se alguma vez tiveram problemas relacionados com a sua profissão, sendo que os homens do grupo são todos médicos, bem como a Fiona Payne e a Kate Healy, o depoente refere que, pela sua parte e do que se recorda, nunca teve qualquer situação digna de registo. No entanto, recorda que Matthew Oldfield tem pendente uma situação, na qual existe uma denúncia por parte de familiares de um indivíduo, sendo que estes acusaram a equipa médica chefiada por Matthew Oldfield, visto que estavam de serviço nesse dia, de um diagnóstico tardio que culminou na morte do paciente. Não tem conhecimento de quaisquer ameaças directas ao Matthew Oldfield ou a qualquer elemento da equipa médica, mas sim urna queixa dirigida formalmente ao Hospital contra a equipa médica em causa. Não tem conhecimento de nenhuma situação semelhante ocorrida com o Gerry McCann e/ou Kate Healy.

--------- Questionado sobre se existem alguns problemas entre os casais, entre cada casal em si e/ou com terceiros, sejam questões profissionais e/ou sentimentais, ou mesmo vícios, refere que não consegue reportar qualquer ocorrência digna de registo, porque desconhece. Cada casal em si já se encontra junto, sejam casados ou vivendo juntos, há vários anos, e um dos pontos em comum, que sempre registaram, é o tipo de entendimento entre cada casal e os casais entre si. Quando têm oportunidade de se encontrarem, passam tempo juntos, conversam e fazem actividades desportivas em conjunto, pelo convívio. Esclarece que o casal com quem teve menos convivência é precisamente o casal McCann, mas também destes não têm conhecimento de qualquer situação estranha ou complicada. Não tem conhecimento de vícios, drogas e/ou jogo, por parte de nenhuma das pessoas do grupo.

--------- Questionado, refere que esta foi a segunda vez que os quatro casais se encontraram juntos (o primeiro encontro havia sido no casamento do David e Fiona Payne, em Itália), embora tenham já tenham feito férias com dois ou três casais, mas não com este grupo presentemente em Portugal. Recorda que, em Setembro de 2005, três casais, excluindo o depoente e a esposa, foram de férias para Maiorca, sendo que não os acompanharam porque a Jane Tanner estava em final de gravidez. Viajaram juntos, bem como outros casais conhecidos, no casamento de David Payne e Fiona Payne, o qual ocorreu em Itália.

--------- Estas férias foram combinadas entre todos, sendo o David e a Fiona Payne que organizaram os detalhes. O depoente e a companheira Jane Tanner viajaram com o casal Matthew Oldfield e Rachael Mampilly e respectivas crianças, no voo que fazia parte do pacote turístico que tinham combinado inicialmente. Porque desconhece, afirma que não sabe dizer quem tratou dos pormenores desta alteração, tendo presente que terá sido o David Payne quem tratou de grande parte das formalidades com a agência.

--------- Porque viajaram em horários diferentes, os quatro casais apenas se encontraram já no "Ocean Club Resort", sendo que estiveram juntos para o jantar, pelas 18h00, no restaurante "Millenium" que se encontra inserido no Resort. Conforme ficara acordado, quando marcaram as viagens, os apartamentos dos quatro casais estavam situados no mesmo bloco, para poderem mais facilmente controlar as crianças. O restaurante "Millenium" está situado num quarteirão bastante afastado do bloco 5, onde os casais ficaram alojados. Como as refeições, no restaurante "Millenium", eram habitualmente servidas depois das 19h30 - excepto aos sábados, para recepção dos hóspedes que chegam habitualmente nesse dia, não sendo necessária marcação prévia – este horário revelava-se francamente tardio para as crianças, pelo que optaram por jantar, a partir daquele dia, no restaurante "O Tapas", o qual se situa junto a piscina, nas traseiras do bloco de apartamentos onde se encontravam alojados. O depoente acrescenta que as filhas do David e Fiona Payne são muito agitadas, pelo que eles preferiam permanecer o mais perto possível do apartamento. Todos os casais concordaram, sem objecções.

--------- Questionado, o depoente esclarece que, quando estiveram de férias na Grécia - através da agência turística "Markwarner", verificaram que estes dispunham de um tipo de serviço a que chamam "baby listening", esclarecendo que tal consiste em deixarem as crianças a dormir, em casa, enquanto os pais vão jantar, sendo o controlo feito por amas, as quais se acercam das janelas dos quartos, para ouvir se as crianças choram, informando de imediato os pais, caso haja algum problema. Explica que a "Markwarner" dispõe desse serviço na Grécia, mas em Portugal tal não estava disponível, facto de que tiveram conhecimento quando fizeram a marcação das férias. No "Luz Ocean Club" é facultado um serviço de baby-sitting, para os adultos jantarem. Este serviço é gratuito. No entanto, as crianças não ficam em casa, mas sim nas instalações da creche. O serviço de amas em casa é pago (custo deste serviço é cerca de 15 €/hora) e funciona até à 01h00. Neste caso, optaram por realizar um tipo de vigilância às crianças, utilizando o mesmo sistema que viram na Grécia, revezando-se entre os elementos do casal para fazer o controlo. Pensaram que, com o número de adultos que estavam presentes, era fácil proceder desta forma. Esporadicamente, quando alguém se levantava, oferecia-se para ouvir os filhos dos outros, junto das janelas do quarto. Questionado, o depoente esclarece que o casal David e Fiona Payne não se levantavam porque tinham um intercomunicador na mesa, o qual consideravam suficientemente fiável para considerarem desnecessário verificar pessoalmente as crianças. Refere não saber dizer quantas vezes cada um dos membros do casal se levantava para ver os respectivos filhos, sendo que se preocupava com as suas filhas e fazia o controlo com a sua esposa Jane Tanner, conforme lhes era mais conveniente.

--------- Por lhe ser perguntado, refere que se deslocou uma única vez ao apartamento do casal McCann, não se recordando se foi de livre vontade ou se alguém lhe pediu. Esclarece que não tinha conhecimento directo que a porta envidraçada das traseiras, a qual acede a sala do apartamento, estaria fechada mas não trancada, mas provavelmente o Gerry McCann disse-lho, nessa noite, para que o depoente entrasse na sua casa e verificasse as crianças. O depoente explica que, no que concerne a si e à sua esposa, este sistema era seguro e eficaz, pois cada um dos elementos do casal verificava os seus filhos com regularidade, normalmente entre cada 15/30 minutos. Pela sua parte garante que todas as portas e janelas estavam fechadas e trancadas, explicando que as janelas e a porta de vidro da sala só podem ser fechadas - e abertas - pelo interior do apartamento. Pelo que se apercebeu, apenas o Gerald McCann e a Kate McCann utilizavam o sistema de entrar pela porta traseira, sendo este o acesso mais fácil, pois é o apartamento mais próximo do passeio, sendo que detém um corredor nas traseiras que acede as escadas que, por sua vez, acedem a porta da sala. Todos os restantes elementos do grupo percorriam todo o passeio até à esquina e entravam em casa pela porta da frente. Quando faziam só o controlo por audição, deslocavam-se até junto das janelas e tentavam perceber se havia algum barulho de choro no interior dos apartamentos.

--------- Questionado sobre a rotina dos dias de férias, confirma todas as suas anteriores declarações, bem como a sua versão é absolutamente coincidente com a da sua companheira Jane Tanner. Também verifica-se uma total conformidade com as declarações da sua companheira Jane Michelle Tanner acerca da viagem de férias, da constituição do grupo e da rotina diária dos adultos e crianças que compunham esse mesmo grupo, do qual faz parte, no Complexo Turístico do ''Ocean Club", na Praia da Luz – Lagos.

--------- Até à pretérita quinta-feira, 3 de Maio de 2007, não tem conhecimento de que algo estranho/suspeito tenha acontecido com o grupo de amigos ou com as crianças. Tudo à sua volta lhe pareceu normal, desde as empregadas de limpeza, jardineiros e restantes funcionários do Complexo. Também na praia nunca se apercebeu de pessoas estranhas e/ou a olharem de forma suspeita.

--------- Questionado, refere que ninguém do grupo utilizou qualquer viatura automóvel, particular ou alugada, sendo que nunca se afastaram da Praia da Luz e todas as deslocações foram apeadas.

--------- Fez então um relato das actividades do dia 3 de Maio p.p.. Desse relato constata-se que todos os factos apresentados, das suas actividades e/ou dos outros elementos do grupo que consigo conviveram, são coincidentes com a versão já apresentada pela sua esposa Jane Tanner.

--------- Incidindo apenas sobre o período da noite, afirma que, nesse dia, por volta das 19h15/19h30m foi para o seu apartamento. Contou umas histórias as suas filhas, tendo ficado com a E*** O'Brien, que já estava ligeiramente melhor, mas teimava em não adormecer. Entretanto a sua companheira Jane foi jantar ao restaurante "O Tapas" por volta das 20h35m/20h40m, tendo a ora testemunha ido pelas 20h45m. Como a ementa era sempre a mesma, o grupo já sabia quais os pratos que constavam no menu, pelo que o depoente disse a sua esposa o que queria, para ela fazer o pedido, enquanto ele tentava adormecer a filha E*** O'Brien.

--------- Quando chegou ao Restaurante já se encontravam alguns os adultos do grupo, sem as crianças. Faltava o David Payne, a Fiona Payne e a Dianne Webster. Chegaram mais ou menos 10 minutos minutos depois.

--------- Por volta das 21h00m pediram todos o jantar.

--------- Como era normal, em mais ou menos entre cada 15/30 minutos uma pessoa de cada apartamento ia aos apartamentos/quartos verificar se as crianças estavam bem. Naquele dia, como a E*** O'Brien estava adoentada, esse tempo foi reduzido.

--------- Recorda-se que o Matthew Oldfield saiu do restaurante, cerca das 21hOOm, tendo ido aos apartamentos para certificar-se que não havia qualquer barulho, vindo das crianças.

--------- Não tem a certeza quem saiu primeiro, mas tem ideia que, cerca de cinco minutos depois, o Gerry McCann foi ver os seus filhos. Cerca de cinco ou dez minutos depois do Gerry McCann ter saído, a companheira do depoente, Jane Tanner, saiu também, para verificar como estavam as filhas, sobretudo a E*** O'Brien. Como o controlo dos outros casais não costumava ser presencial, mas apenas por audição, a Jane Tanner, conforme era seu hábito, foi verificar pessoalmente o estado das suas filhas. Não recorda quem, se o Gerry McCann ou Jane Tanner, chegou primeiro à mesa, mas lembra-se que a Jane Tanner comentara que passara pelo Gerry McCann na rua, e que estava a falar com uma pessoa que também está hospedada no mesmo local, de nome Jez.

--------- Por volta das 21h25m, aproveitando uma pausa de espera para servirem o primeiro prato, o ora depoente saiu do restaurante com Matthew Oldfield, ver as crianças. Chegou ao seu apartamento, tendo ouvido imediatamente a sua filha E*** O'Brien a chorar, pelo que ficou no quarto com ela. Pensa que o Matthew Oldfield foi ver o apartamento dele, mas não sabe se estava incumbido de verificar também os filhos do casal McCann, tendo regressado ao apartamento do ora depoente e perguntado se precisava de ajuda.

--------- O Matthew Oldfield voltou para o restaurante, tendo dito a Jane Tanner que o depoente ficara no apartamento com a E*** O'Brien, porque ela estava a chorar.

--------- A verdade é que para além do choro, o depoente teve que mudar completamente a roupa da cama e da filha E*** O'Brien em virtude dela ter vomitado.

--------- A sua companheira veio substitui-lo cerca de 15 minutos depois para que fosse acabar de jantar.

--------- Por volta das 21h55m voltou para o restaurante, tendo ficado 5/10 minutos à espera que o prato lhe fosse servido. Nesta altura, já todas as outras pessoas da mesa tinham terminado a refeição.

--------- Por volta das 22h00m a Kate Healy saiu para ver as suas crianças no seu apartamento tendo regressado em desespero, entrando no restaurante a gritar, em direcção à mesa onde estavam todos, que a Madeleine McCann tinha desaparecido.

--------- Saíram todos a correr, excepto a Dianne Webster, e a ora testemunha com mais algumas pessoas decidiram ver à volta dos blocos de apartamentos, e nos próprios apartamentos, para ver se encontravam a Madeleine McCann.

--------- Nas buscas que efectuou, a seguir ao desaparecimento, não conseguiu identificar qualquer elemento/pessoa/objecto suspeito.

--------- Por lhe ser perguntado, refere que não pode descrever como estava o quarto das crianças depois do desaparecimento da Madeleine McCann, porque nunca entrou no quarto. Quando foram alertados para a situação, saíram imediatamente da mesa, sendo que o depoente iniciou as buscas na área circundante aos blocos de apartamentos, seguindo depois para a vila e na zona da praia.

--------- Questionado sobre se não reparou se a persiana da janela do quarto das crianças McCann estava aberta ou fechada, refere que não pode responder, porque não reparou. Recorda-se que, quando foi ver as suas filhas, juntamente com o Matthew Oldfield, vieram a conversar pelo caminho, pelo que não olharam para as janelas.

--------- Questionado sobre se tem conhecimento de que o Matthew Oldfield tenha, ou não, ido verificar as crianças McCann refere que não soube, na altura, pois ficou com a sua filha E*** O'Brien em casa, mas ouviu, depois, comentar que era suposto ele ter ido, mas que a verificação terá sido só do lado de fora da porta do quarto, tendo visto os gémeos, mas não a cama da
Madeleine McCann, que se situava num ângulo onde não tinha contacto visual.

--------- Questionado, reafirma que não tem qualquer suspeito a apresentar, não se recorda de qualquer pormenor ou situação que possa estar relacionado com o desaparecimento da pequena Madeleine Beth McCann.

-------- Perguntado, refere que não se recorda de qualquer incidente ou discussão entre qualquer um dos casais, ou qualquer um dos elementos de grupo entre si, nem mesmo entre qualquer um dos membros do grupo com terceiros.

--------- O depoente recorda apenas um episódio, que para si não teve qualquer importância, mas que, dadas as circunstâncias, faz relatar. Refere que, entre as actividades do ténis e outras na praia, travou conhecimento como um indivíduo que apenas conhece como NIGEL, indivíduo britânico, casado e com urna filha de cerca de 3/4 anos, de nome Izzy. Manteve, com este indivíduo, conversas triviais. No dia do desaparecimento da Madeleine McCann, a meio da manhã, estavam, parte do grupo no qual se insere, com as crianças, junto aos courts de ténis, quando o NIGEL se aproximou. Estava a filmar a sua filha, com uma câmara de vídeo, sendo que, questionado, o depoente refere que não se recorda de antes o ter visto com tal aparelho. Perante as actuais referências ao pedofilismo, acabaram por entabular uma conversa que o depoente considera perfeitamente normal e inócua, tendo o NIGEL comentado que quase se sentia desconfortável em fotografar/filmar a sua própria filha. O depoente acabou por concordar e ambos conversaram sobre o ridículo da situação e "o estado a que o mundo chegou". O depoente refere que não tem qualquer razão para suspeitar do NIGEL, seja em que circunstâncias fossem, pois pareceu-lhe um cidadão normal, com uma família normal. Nunca mais tinha pensado nesta conversa, apenas a reportando porque, de todas as situações que viveu esta semana, não tem qualquer registo de incidente a relatar.

--------- Instado a dizer a verdade, afirma que o que acabou de declarar é a verdade dos factos, tal como deles tem conhecimento.

--------- Neste momento foi solicitado uma colheita, efectuada através de uma zaragatoa bucal realizada pela Especialista-Adjunto I**** T*****, funcionária desta Polícia, ao ora inquirido. O mesmo, de livre e espontânea vontade, acedeu ao pedido tendo assinado a respectiva declaração de consentimento, após a respectiva leitura e tradução, efectuada pela intérprete que também assinou. Junta-se o original ao presente Auto.

E mais não disse. Lido o auto o achou conforme, ratifica e vai assinar seguido da intérprete que o acompanhou neste acto.

Para constar se lavrou o presente auto que vai ser devidamente assinado.


Russell James O'Brien Statement English Translation here


No comments:

Post a Comment