22 January 2010

O Estranho Caso McCann



por Aníbal Ferreira


Imagine você que era polícia há 30 anos e que investigava o desaparecimento de uma menina inglesa de nome Maddie McCann.

Imagine que todos os polícias, incluindo você, concluíam que a menina morrera e que os pais eram suspeitos de envolvimento na ocultação do cadáver.

Imagine que os pais da menina eram oficialmente declarados suspeitos e que a imprensa inglesa começava a chamar-lhe “bófia cretino”, “amador”, “corrupto”, “incapaz”, “incompetente” e “falhado”.

Imagine que a imprensa inglesa começava a propalar diariamente que você “montou o caso”, “inventou cenas”, “ignorou documentos cruciais”, “dificultou a investigação”, foi “tendencioso”, “cruel” e “mentiroso”.

Imagine que durante meses a fio a imprensa inglesa lhe chamava “saco de batatas”, “bêbado”, “torturador”, “estúpido”, “imbecil” e “infame”, repetindo 418 vezes que você era um “homem vergonhoso” e que a mãe dos seus filhos era uma “prostituta”.

Imagine que a direcção política da polícia não o defendia e que, pelo contrário, lhe retirava a investigação do caso, permitindo que a imprensa inglesa titulasse “Despedido!” e renovasse, com mais violência ainda, todos os ataques já desferidos.

Imagine que o Ministério Público declarava que o processo ficaria a aguardar a produção de melhor prova e que essa declaração era entendida em Inglaterra como uma “absolvição” dos pais da menina, dando origem a mais ataques da imprensa ao “bófia cretino”, “amador” e “corrupto” que “montou o caso”, “inventou cenas” e “ignorou documentos cruciais”.

Imaginou tudo isto? Pois bem, então responda: SE PUDESSE ESCREVER UM LIVRO EM DEFESA DO SEU BOM NOME, ESCREVIA-O?

Agora imagine que o livro era retirado do mercado por atentar contra o bom nome dos pais da menina...



13 comments:

  1. Great piece of writing.
    The British press have been an absolute disgrace from start to finish.
    GA has every right to defend himself from the slurs of the McCann's and the press.

    ReplyDelete
  2. Excelente. É um bom resumo da situação.

    Caroline

    ReplyDelete
  3. Pois é.Todos nos colocámos do lado dos pais imediatamente quando recebemos a notícia do desaparecimento."Pobres pais" pensámos.Mas quantos de nós já nos pusémos no lugar deste investigador tão maltratado? Aqueles que venenosamente lhe cobiçam a reforma ou o dinheiro obtido com os livros já pararam para pensar? Será que alguma desta pessoas trocaria a sua situação, a sua vida, pela do Sr Gonçalo Amaral?Insultos, ataques cobardes a ele e à sua família... Se calhar está na altura de "esfregar" na cara de alguns desses "críticos" algumas da manchetes dos nojentos "jornais" ingleses.

    ReplyDelete
  4. But who has been feeding the UK press all this rubbish manipulation and spin, that is the question?

    ReplyDelete
  5. Muitíssimo bem colocado, este texto . Finalmente!Pois há que lembrar a muitos que o insultam ou o diminuem (mesmo por cá....).

    O levantamento de toda a adjectivação e este texto têm de ser constantemente divulgados, já que "a memória e o enfado de alguns" acontece.

    Isso mesmo,leva-los a imaginarem-se na situação e desde 2007.

    Empatia é isso mesmo: colocar-se na situação do outro....


    É que é "obra"!

    A Copista.

    ReplyDelete
  6. Eu pagaria com a mesma moeda e faria de tudo para que esses cretinos pagassem pelas difamções.
    Mas entretanto a força policial a que o Drº Gonçalo Amaral pertenceu, deveriam ser os primeiros a tomar uma posição de defesa não só dele mas também em defesa da força que representam.Infelizmente nunca vi isso,já para não falar dos politicos,que esses só abrem a boca e os bolsos em proveito própio.O PM ingles veio a público defender os MACMERDAS, e o nosso que féz?

    ReplyDelete
  7. Agora era a vez do Dr. Gonçalo Amaral pôr processos a todas as publicações e jornalistas que o difamaram. Poderia, inclusivamente exigir uma indemnização ao casal. Argumentos?...não faltam de certeza.
    Aí sim, já teria o tal milhão de que os McCann o acusam de ter ganho com o livro.
    Continuo a dizer: Força Dr. Gonçalo Amaral!

    ReplyDelete
  8. ;)Boa malha!

    Quanto mais imagino mais admiro o Dr. Amaral...

    ac

    ReplyDelete
  9. Isto está a correr tão mal ao McCann que a próxima audiência em tribunal já não vai ser pública, mas à porta fechada! Fechada devia ser a mãe da criança que sabendo do seu destino da criança tem a ousadia de vir a tribunal do lado da acusação e o marido tem a ousadia de desmentir um inspector após a audiência em tribunal, onde esteve so juramento.

    Há gente para tudo!

    Desejo muito que tudo isto lhes caia em cima e que sejam julgados por todos os crimes correlaccioandos: desde a ocultação de cadáver até ao Fundo fraudulento!

    ReplyDelete
  10. É com alguma revolta e com um misto de tristeza que assisto ao silêncio por parte, quer da sociedade civil quer dos nossos políticos e instituições face a esta falta de apoio e apatia relativamente ao descredito a Gonçalo Amaral, bem como ás instituições portuguesas. Muitos erros podem ter sido cometidos, mas o enxovalhamento quer de Gonçalo Amaral quer da PJ e das nossas instituições é inadmissivel, assim como é inadmissivel o nosso silêncio face ás provocações inglesas. Todos sabemos que os aventais têm muita força, é pena que não existam em Portugal mais vozes como esta, com a coragem para os enfrentar...
    Força Gonçalo Amaral
    Graça

    ReplyDelete
  11. Brilhante texto. Gostava de pedir autorizacao ao seu autor e convidar cada portugues a envia-lo a algumas figuras de proa, da justica e da cultura portuguesa. Figuras que a dado momento nos envrgonharam e alimentaram a nossa revolta. Falo de Miguel Sousa Tavares e Marinho Pinto.Foi tao vergonhosa a prestacao destes dois que mais valia terem estado calados e quietos. EU que li apaixonadamente o "Equador" de M. Sousa Tavares, passei a detesta-lo desde que ouvi os seus comentarios ao caso Maddie e a G. Amaral. Nunca mais gastarei um Euro num livro deste senhor e gostaria muito de saber se tambem e apologista da censura e da proibicao de livros.

    ReplyDelete
  12. A proxima sessao do tribunal vai ser a porta fechada. Preocupa-me bastante que assim seja. A porta fechada nao ha transparencia e facilmente se manipula um julgamento para obter o resultado que mais convem a uma das partes. E OS MCCANN JA TEM PROVAS DADAS DE COMO SABEM E CONSEGUEM MANIPULAR. Cheira a esturro, esta "porta-fechada". Espero que a juiza nao venda mais um pedaco da dignidade potuguesa porque o mundo interroga-se como e que Portugal deixou 2 pais negligentes fugirem, mesmo com a filha desaparecida e nunca os impediu de andarem a enganar meio mundo e a enriquecer a custa de donativos. Chegou a altura de dizer BASTA e po um ponto final na farsa.

    ReplyDelete
  13. Esta farsa está longe do fim conhecendo nós a morosidade obesa com que se arrastam os tribunais em Portugal e a indiferença amorfa dos portugueses que insistem em não perceber que é o dinheiro dos impostos deles (nossos) que pagam a conta do atraso da justiça. E são sempre os que trabalham por conta de outrém que pagam os impostos!

    Esta audiência foi apenas para ouvir as testemunhas de Gonçalo Amaral e outros atingidos por esta providência (Canal TV e Valentim de Carvalho) porque as testemunhas dos McCann já foram ouvidas em privado (tapetes vermelhos para os detentores do poder económico e neste casa, acusação, já não é novidade).

    Em suma, o julgamento ainda nem começou!

    Os McCann merecem, pelo menos, acusação segundo o depoimento em tribunal dos inspectores portugueses (que partilharam a crença da morte acidental da criança e ocultação do seu corpo) com os inspectores ingleses.

    A PJ precisa de mudar de imagem e ser mais nobre e interveniente até para os cidadãos acreditarem na instituição. Se a PJ deixa cair os seus próprios inspectores o que fará a nós cidadãos (que não dominamos as redes dos sistema)?

    Não acredito na reabertura do processo até porque se houve alguma pressão hierárquica portuguesa para arquivar o caso, não haverá vontade política para o reabrir. Sabe-se lá os danos que a coisa ainda pode trazer.

    A Procuradoria, os Juízes e a PJ devem trabalhar em conjunto para reunir provas válidas ou libertar o suspeito, num tempo razoável, curto e justo.

    A justiça tem que servir pobres e ricos. São os advogados que fazem as leis na Assembleia que vivem da morosidade do sistema judicial e apresentam a conta ao cliente ("ah sabe já andamos nisto há 5 anos... as custas são elevadas...etc ... etc...")

    Fala-se mal da Saúde em Portugal mas a verdade é que se os médicos tratassem assim os doentes, os doentes morriam.

    REFORMA À JUSTIÇA - Este é o ponto chave, o resto pode ser igualmente merecedor de atenção, mas é e será sempre ao lado do que é verdadeiramente importante: A REFORMA DA JUSTIÇA!!!

    ReplyDelete