4 March 2010

Qualquer Semelhança É Pura Coincidência



CONCLUSÕES DO RELATÓRIO DA POLÍCIA JUDICIÁRIA DE 10 DE SETEMBRO DE 2007:



“Por todo o exposto, RESULTA dos Autos QUE:

A) a menor Madeleine McCann morreu no apartamento 5A do Ocean Club da Praia da Luz na noite de 03 de Maio de 2007;

B) ocorreu uma simulação de rapto;

C) de forma a impossibilitar a morte da menor antes das 22h00 foi inventada uma situação de vigilância das crianças do casal McCann enquanto dormiam;

D) Kate McCann e Gerald McCann estão envolvidos na ocultação do cadáver da sua filha Madeleine McCann;

E) neste momento parece não existirem ainda fortes indícios de que a morte da menor não tenha ocorrido devido a um trágico acidente;

F) do apurado até ao momento, tudo indica que o casal McCann, como autodefesa, não queira fazer a entrega de forma imediata e voluntária do cadáver, existindo uma forte possibilidade de o mesmo ter sido transladado do local inicial de deposição. Esta situação é susceptível de levantar questões quanto às circunstâncias em que ocorreu a morte da menor.”

(Fls. 2601 do processo)



CONCLUSÕES DO LIVRO "MADDIE, A VERDADE DA MENTIRA", PUBLICADO EM JULHO DE 2008:


“Para mim e para os investigadores que comigo trabalharam no caso até Outubro de 2007, os resultados a que chegámos foram os seguintes:

1. A menor Madeleine McCann morreu no apartamento 5-A do Ocean Club, da Vila da Luz, na noite de 03 de Maio de 2007;

2. Ocorreu uma simulação de rapto;

3. Kate Healy e Gerald McCann são suspeitos de envolvimento na ocultação do cadáver da sua filha;

4. A morte poderá ter sobrevindo em resultado de um trágico acidente;

5. Existem indícios de negligência na guarda e segurança dos filhos.”

(Fls. 213/214 do livro)



4 comments:

  1. Pois é, cara Astro! Lá diz o ditado:
    "O pior cego é aquele que não quer ver"

    ReplyDelete
  2. Como e evidente, o tribunal de Lisboa ou Oeiras, levou a cabo mais um episodio na enorme farsa- Censurou um livro que nao divulga mentiras, que nao difama ninguem, que nao explora a imagem nem a tragedia de uma crianca, que nao viola o segredo de justica. Pelo contrario, traduz para uma linguagem mais acessivel factos que resultam de uma investigacao, acontecimentos que ha muito eram do dominio publico mas nao cuidadosamente esclarecidos. Atendendo a que Maddie, pelo mediatismo cultivado pelos seus pais, se tornou num caso global e trouxe para as primeiras paginas dos jornais, pessoas que nada tinham a ver com os acontecimentos, implicando-as erradamente, e que nessa estrategia foram usados os impostos dos portugueses ( ate Set. 2007 nao houve oficialmente inv, privada) o publico portugues tem direito a ser informado sobre os resultados da investigacao. Tem o direito de saber o que aconteceu exactamente, para se proteger futuramente. Na eventualidade de haver raptores e pedofilos( a seguranca das criancas portuguesas deve ser prioridade da policia), nao havendo tambem e preciso refazer as mentes assustadas pela psicose que a historia do rapto causou para devolver normalidade e paz aos cerebros de criancas e pais. Alem disso, e porque estava em marcha uma campanha macica e agressiva de angariacao de Fundos, e obrigacao da policia, informar o publico para que este na posse de todos os dados possa decidir se deve ou nao contribuir para um Fundo, que pelo exposto, ha muito as policias de dois paises sabem que e Fraudulento.
    OMITIR ESTES FACTOS E SER TAO CRIMINOSO QUANTO QUEM OS PERPETROU, POR PERPETUAR A AUSENCIA DE JUSTICA A UMA CRIANCA E ENGANAR INOCENTES QUE CONTINUARIAM A CONTRIBUIR COM DONATIVOS, PEDIDOS PARA PROCURAREM ALGUEM QUE A POLICIA SABE, JA NAO EXISTE.

    De erro em erro, prosseguem os doutos vendidos da justica portuguesa, ate ao momento em que todo o castelo que construiram lhes caira em cima e tenham de ser afastados dos cargos que ocupam, debaixo de vergonha, incompetencia e MUITO, MUITO PEDIDO DE DESCULPAS.
    O Caso Maddie mais os contornos obscuros a que alguns em Portugal, se prestaram, tambem merecem um inquerito parlamentar, exaustivo e minucioso, a bem da verdade e da imagem do pais. Mas claro, ninguem o propoe, porque se o governo esta armadilhado pelo poder politico ingles, o maior partido da oposicao, nao conseguiu manter-se fora da vergonha e deixou que advogados ligados a escritorios laranja tambem " comessem do bolo facil" que sao os Euros do Fundo Madeleine. E assim Portugal e hoje uma coutada de interesses privados, usando o que e de todos. Oportunistas que se servem do pais para se auto-promoverem. Assim esta explicado porque se calam os inconvenientes, ainda que estejam em poder da verdade e sejam competentes, porque se censuram livros transformando em mentira e difamacao o que e verdade e pior de tudo, porque se usa a forca de um tribunal para dar credibilidade e tornar legal verdadeiros atentados a justica e a direitos constitucionalmente garantidos.
    NAO HA DUVIDA QUE GONCALO AMARAL ACERTOU QUANDO CHAMOU AO LIVRO QUE REPRODUZ PARTE DA INVESTIGACAO- " A VERDADE DA MENTIRA"

    ReplyDelete
  3. :p Desconhecia este importante detalhe. Sera que também terá passado despercebido a Juíza Rodrigues?

    O direito ao bom nome por si só não justifica a mordaça. Os McCann's nunca podem ter direito ao bom nome já que ficou provado terem abandonado as crianças.

    Tudo isto só se pode entender como um trama jurídico de cariz politico.

    ReplyDelete
  4. :) Trata-se de um detalhe importantíssimo. Sera que passou despercebido a juíza Rodrigues?

    A insistência de que os McCann tem direito "ao bom nome" de forma alguma justifica a mordaça imposta ao G. Amaral visto que ficou provado que os pais abandonaram a criança ao seu destino (mesmo eliminando a hipótese de um outro cenário. O tal...).

    ReplyDelete