5 March 2010

Sinais de Incêndio



Confirmaram-se as piores expectativas pressupostas no meu artigo anterior. A entrevista a Gonçalo Amaral em Sinais de Fogo foi um enxovalho ao jornalismo (SIC, 1/3). Sousa Tavares convidou o ex-investigador do caso Maddie para o humilhar, para verter sobre ele as suas próprias opiniões, para o calar. Não entrevistou, opinou, e se chegou a perguntar não deixou responder: era ele mesmo quem tinha muito para dizer.

Ao comportamento arrogante e antijornalístico, somou-se a falta de rigor no conhecimento, não só de detalhes, como de aspectos importantes do caso. O comportamento do jornalista foi ainda mais lamentável tendo em conta que Amaral estava judicialmente limitado na sua liberdade de expressão, pelo que não podia responder a questões levantadas pelo enfurecido Tavares nos seus comentários.

Eduardo Cintra Torres

in: Público, 05.03.2010 (edição em papel)

5 comments:

  1. Old but true
    http://www.vernoncoleman.com/mccann.htm

    ReplyDelete
  2. Finally it's not only the private watchers that feel that the program was indignant. It's good to see it said in a "compromised" (with the Government) newspaper by a known journalist.

    Shame on you Miguel Sousa Tavares.

    ReplyDelete
  3. I was especially pleased to see his comment yesterday in the Público and do enjoy his articles very much. He is especially critical of Sócrates and his attempts to control the media.
    Caroline

    ReplyDelete
  4. Fico muito satisfeita com este artigo, especialmente por estar assinado por Eduardo Cintra Torres. O vento está a mudar, devagar. Devagar, lá chegaremos (água mole em pedra dura, tanto bate até que fura: chama-se persistência!!!)

    Alexandra

    ReplyDelete