4 August 2010

Carta de uma Noite de Verão


Mário Tomé © All Rights Reserved

O psicopata é como o gato, que não pensa no que o rato sente. Ele só pensa em comida. A vantagem do rato sobre as vítimas do psicopata é que ele sempre sabe quem é o gato. - Robert D. Hare

Querida amiga A.,

Em resposta à tua missiva aqui te deixo algumas cogitações. Sobre aquilo que disseste por último só posso dizer que sim, sem dúvida, e isso foi já sobejamente mencionado pelos próprios Ingleses, que dizem geralmente algo como: “If they were chavs they had been arrested a long time ago”. (nota: “Chavs” é um termo Britânico pejorativo, usado para definir um estereótipo da classe trabalhadora que vive com o apoio da segurança social; uma das várias classificações snobs de uma sociedade altamente hierarquizada e cada vez mais segregada)

Eles até podem sentir “dor” e não a demonstrarem como seres humanos ditos “normais”; por um qualquer motivo menos perceptível ou devido a uma ausência de empatia quiçá provocados por distúrbios de cariz sociopata e narcisista. Mas não é, nem pode ser, a aparente falta de emoção, ou o fingimento conveniente da mesma nas “sessões” com os média que nos permite presumir e ter a convicção da falta de inocência do casal McCann, e quando falo de inocência refiro-me à acepção do ser-se «inocente» até prova em contrário estabelecido pela lei, ou seja a dita «presunção de inocência».

Existe um processo judicial, fora do segredo de justiça e no domínio público, onde se encontram inúmeras inconsistências e incongruências do casal e do grupo chamado «Tapas» ou de G9 pela equipa de investigadores criminais Portugueses e Ingleses que trabalharam em conjunto no caso Maddie, cognominados como 'Operation Task'.

A investigação feita por essa equipa de agentes altamente especializados e experientes - entre os quais se encontravam elementos da New Scotland Yard, do National Policing Improvement Agency (NPIA), da Unidade Nacional de Contra Terrorismo (UNCT) da Policia Judiciária, elementos do MI5 (que raio andava o MI5 aqui a bisbilhotar?), etc. - chegaram em concordância, à única conclusão exequível após analisarem as várias hipóteses e cito:

“Por todo o exposto, RESULTA dos Autos QUE:

A) A menor Madeleine McCann morreu no apartamento 5A do Ocean Club da Praia da Luz na noite de 03 de Maio de 2007;

B) Ocorreu uma simulação de rapto;

C) De forma a impossibilitar a morte da menor antes das 22h00 foi inventada uma situação de vigilância das crianças do casal McCann enquanto dormiam;

D) Kate McCann e Gerald McCann estão envolvidos na ocultação do cadáver da sua filha Madeleine McCann;

E) Neste momento parece não existirem ainda fortes indícios de que a morte da menor não tenha ocorrido devido a um trágico acidente;

F) Do apurado até ao momento, tudo indica que o casal McCann, como autodefesa, não queira fazer a entrega de forma imediata e voluntária do cadáver, existindo uma forte possibilidade de o mesmo ter sido transladado do local inicial de deposição. Esta situação é susceptível de levantar questões quanto às circunstâncias em que ocorreu a morte da menor.”

Folhas 2601 do processo 201/07.0GALGS

Logo, nem esta é uma tese forjada pelo ex-coordenador da Polícia Judiciária Gonçalo Amaral como o casal McCann e a sua brigada de Relações Públicas e advogados tentam à força descreditar. Nem o ex-inspector os difamou nem difama quando escreveu em formato abreviado no Livro, com a experiência e conhecimento enquanto coordenador daquele caso sobre a tese partilhada pelo conjunto de investigadores. Livro que se encontra actualmente banido e censurado em Portugal por via de uma providência cautelar posta em prática sub-repticiamente, de uma forma ardilosa e puramente maquiavélica.

E foi assim que, abusivamente utilizando a Lei, se acrescentou mais uma grilheta ao Direito à Liberdade de Expressão.

O que me vexa e envergonha é que um Cidadão Português – sim, já que o ex-coordenador é agora um «civil» como eu e tu – esteja em pleno século XXI coarctado de exprimir a sua opinião sob pena de multa de 1000 euros de cada vez que o faça.

Que eu saiba, a Constituição da República Portuguesa ainda diz o seguinte no Artigo 37º:

“Todos têm o direito de exprimir e divulgar livremente o seu pensamento pela palavra, pela imagem ou por qualquer outro meio, bem como o direito de informar, de se informar e de ser informados, sem impedimentos nem discriminações.

O exercício destes direitos não pode ser impedido ou limitado por qualquer tipo ou forma de censura.”


Mas o que mais me profundamente indigna como jovem Mulher de 36 anos (nascida 6 dias antes do 25 de Abril de 1974) é que apesar da nossa História recente, uma Juíza ainda faculte que se condene à supressão um Livro e um Documentário baseados numa investigação factual. Uma censura que têm, de acordo com a advogada dos litigantes, como desígnio final a total e definitiva exterminação de ambos; se calhar estão a pensar fazer uma espécie de auto de fé moderno à semelhança das queimas de livros dos Nazis ali para os lados do Terreiro do Paço.

Resumindo, além de um Cidadão Português, estão igualmente impedidos: a TVI de difundir ou divulgar quaisquer referências acerca do que consta no processo bem como no livro, ou seja a tese do homicídio e ocultação de cadáver. A Valentim de Carvalho Filmes e a Editora Guerra e Paz, respectivamente, de editar, distribuir ou ceder os direitos do Documentário e do Livro 'Maddie, A Verdade da Mentira'.

E isto porquê? Porque um casal de Ingleses foi negligente com os filhos? Porque não querem que nem o Livro nem o Documentário sejam publicados, lidos e vistos em Inglaterra? E porque é que só agiram com a providência cautelar passado mais de um ano, quando o livro já nem se vendia, precisamente na altura em que se negociavam as edições para Inglês?

E já agora porque é que o casal McCann não censura o próprio processo? E porque não pedem o tal milhão e meio de euros a que aspiram, de forma a coagir e intimidar o ex-coordenador da PJ, ao Estado Português?

Mais um milhão, menos um milhão, que diferença faz ao Estado Português? Afinal muito mais do que um milhão e meio de euros foi gasto na investigação da filha deste casal, pago por todos nós, Cidadãos Portugueses.

Um casal que se recusou a responder às perguntas feitas pelas autoridades Portuguesas, que nunca fez a reconstrução pedida pelas autoridades da noite de 3 de Maio de 2007….

Um casal que 12 dias apenas após o enigmático desaparecimento da filha já tinham constituído um fundo privado, que recebeu, contas feitas assim à pressa, pelo menos cerca de 4 milhões de libras. E uma loja online, que vendia e vende, pulseirinhas de borracha, cartazes, Kits de Viagem com autocolantes (já agora que tal uma caderneta de cromos?) e t-shirts, promovendo como imagem de marca os olhos da Madeleine, nomeadamente o direito que tem a íris com uma risca. Chama-se a isto merchandising - a rentabilização calculada de uma marca com vista a maximizar o número de vendas.

Nas palavras do pai da criança, ditas em entrevista a uma revista Americana, em finais de 2007, “Certainly we thought it was possible that [the publicity] could possibly hurt her or her abductor might do something to her eye . . . But in terms of marketing, it was a good ploy.” Desculpe, disse o quê!?

O fundo neste momento e de acordo com as últimas contas publicadas pela Companies House, têm como directores cerca de 60% de elementos da família dos McCann, inclusive os próprios ex-arguidos Kate Healy e o Gerry McCann.

Um fundo que foi usado para tudo e mais alguma coisa: desde contratar advogados como o Michael Caplan que defendeu o assassino e torturador Pinochet na saga da extradição com os Espanhóis; o Ex que na altura era o Bastonário da Ordem dos Advogados Rogério Alves; o Dr. Carlos Pinto de Abreu; a Carter Ruck advogados especialistas em «silenciar» a imprensa como no caso das mortes provocadas pela empresa Trafigura (ref. The Guardian/BBC/Super-Injunctions) ou de tipos, vá lá, peões, que se declaram como advogados com capacidades mediúnicas. E claro, para pagar os honorários da mais recente advogada chegada à «dream-team», a Dra. Isabel Duarte.

Um fundo que serviu para pagar desde as amortizações da casa, a pagar os inúmeros detectives privados [mini-lista: Oakley International, Metódo 3, Francisco Marco, Control Risks Group, Henry Exton, Kevin Halligen, Dave Edgar, etc.] de qualidade duvidosa que alegadamente “engendraram” avistamentos desde Marrocos até à Austrália, e que alegadamente “perseguiram testemunhas para as calarem”; e quem sabe se até mesmo aquele carro que foi incendiado no Algarve ou o “assassinato” do cão da família do Gonçalo Amaral não estará relacionado com as tácticas extraordinárias desses detectives.

Um dos quais é actualmente motivo de uma disputa entre o R.U. e os E.U.A., sendo que os segundos o querem ver extraditado para ir a julgamento. No entanto sem se perceber muito bem porquê, só a audição para avaliar o pedido feito pelas autoridades Americanas já foi adiada, pelo menos umas quatro vezes - é o chamado Efeito Vale e Azevedo.

Portanto, mais um singular episódio da saga McCann, onde um dúbio “detective” contratado pelo casal consta da lista do FBI e da Interpol por ter cometido uma série de fraudes financeiras e outras.

Um pequeno aparte, porque é que o casal McCann que se viu desfalcado em cerca de 602 054.691 Euros [£500,000] não informou a polícia acerca desse facto, e de acordo com o que divulgaram pela “boca daquele que mente com todos os dentes que têmnem sequer o tencionam levar a tribunal?

Já nem digo nada sobre o facto de ser ilícitopseudo detectives privados” andarem alegadamente a «investigar» em Portugal sem permissão das autoridades Portuguesas.

E o fundo sem fundo, claro, também serviu e serve para pagar as múltiplas empresas de comunicação e assessoria de imagem, aliás de “limpeza de imagem”, como a Hanover; a Justine McGuinness; o David Hughes; a Sheree Dodd ; o Clarence Mitchell ( 2007 até ao dia de hoje), enviado pelo Tony Blair, garantido pelo Gordon Brown e saído directamente das funções de director da Media Monitoring Unit (MMU), um departamento que trabalha directamente para a agencia governamental Central Office of Information (COI). Mais recentemente o fundo também serve para pagar os serviços da Lift Consulting, cujo CEO é o Salvador da Cunha – o mesmo que me acusou de estar avençada pelo Gonçalo Amaral, esquecendo-se que eu, ao contrário dele não estou à venda.

E que dizer dos diplomatas Ingleses que interferiram no caso McCann, desde 4 de Maio de 2007?

Todos “afastados”, mas mesmo todos sem excepção! O Embaixador Inglês John Buck, em Setembro de 2007 - menos de uma semana após o casal McCann ter sido constituído como arguido. Tendo sido substituído pelo actual Alexandre Ellis, ex-assessor do Durão Barroso na Comissão Europeia. Bill Henderson, o Cônsul destacado para o All-Garve disse “bye, bye!” em Julho de 2007, um mês antes de ter concluído a comissão diplomática. Esse Cônsul foi substituído pela Celia Edwards que em menos de um ano, a Junho de 2008, também disse adeus ao Al Ghareb (…)

O Alexander Ellis é além de embaixador, escrevedor numa coluna intitulada “Um Bife Mal Passado” no jornal Expresso; cujos artigos demonstram que ele presume compreender e por isso, depreender que sabe avaliar bem Portugal e os Portugueses; chegando mesmo por vezes a alvitrar uns pretensiosos pareceres, como se de um “Henry Kissinger colheita‘75” se tratasse.

O Expresso, claro está, é o mesmíssimo jornal que publicou numa capa em letras garrafais XXL, estilo à la 24 Horas/Crime: “Gonçalo Amaral, é uma Vergonha” para vender uma entrevista lambida que fizeram ao casal McCann. Cujo actual director escrevinhou uma das maiores cretinices, para não dizer “trampas” que alguma vez li vinda de um alegado jornalista; ultrapassando assim em larga escala o recorde pessoal até à altura imbatível da tia Isabel Stilwell, a puritana ‘directriz’ do Destak.

Voltando ao Bife, a 7 de Junho de 2010, numa entrevista dada a um outro jornal, o Exmo. Embaixador Britânico em Portugal, respondeu assim à pergunta do jornalista:

A relação bilateral foi afectada pelos casos judiciais dos últimos anos, o desaparecimento de Madeleine McCann e o caso Freeport?

Antes pelo contrário. No caso McCann continuamos a desenvolver esforços para a encontrar e mantemos contacto com a polícia portuguesa.”

Pois então, se assim é muito gostava eu de entender porque raio é que a página da Embaixada Britânica em Portugal, tem um link para o Fundo, o tal fundo sem fundo, o fundo dos ex-arguidos McCann?

É no mínimo ofensivo que o embaixador mantenha, tal como a Leicestershire Police Constabulary [ LPC é um serviço especializado de entrega de flores ao domicilio em Rothley] um link para o Madeleine's Fund: Leaving No Stone Unturned Limited Company.

E digo isto porque, contrariamente ao que os menos atentos ainda não perceberam, em parte devido aos outros que tentam distorcer os factos - O casal McCann não foi ilibado nem inocentado; um arquivamento prematuro de um processo de investigação criminal não iliba nem acusa.

No entanto é preciso não esquecer, e deixar bem explícito que o processo de investigação ao casal McCann (sim, porque já não é o da Madeleine) foi arquivado antes do término da investigação criminal, a qual se encontrava a cargo da Polícia Judiciária. Adivinhando-se, aliás, já ser esse o destino (o arquivamento) a partir do momento em que a investigação deixou de ter como possível a tese de rapto por não existirem quaisquer provas que a sustentassem e uma absurda quantidade de incongruências que a opunham; e quando passou a ser considerada como mais provável, pelas evidências encontradas, a «morte acidental, o homicídio por negligência e a subsequente ocultação de cadáver».

O arquivamento “foi quase confirmado” pela substituição do ex-coordenador da Polícia Judiciária Gonçalo Amaral pelo Paulo Rebelo em Outubro de 2007, e consumado a Junho de 2008. Mas, a Procuradoria-Geral da República deixou sempre em aberto que “poderão ter lugar a reclamação hierárquica, o pedido de abertura de instrução ou a reabertura do inquérito, requeridos por quem tiver legitimidade para tal” acrescentando ainda que “No entanto, o inquérito pode vir a ser reaberto se o Ministério Público assim o entender ou a requerimento de algum dos interessados caso surjam novos elementos de prova que originem diligências sérias, pertinentes e consequentes.

Concluindo, apesar da investigação não ter tido tempo para obter as “provas conclusivas” necessárias que permitissem levar o casal a julgamento, as autoridades oficiais que investigaram o caso defendem, e defenderam sob juramento no Palácio da Justiça em Lisboa, nos meses iniciais de 2010, que não tem “quaisquer dúvidas que a criança faleceu no apartamento 5A” do Ocean Club na Praia da Luz, e que “os pais estão envolvidos na ocultação do cadáver da criança”.

Não me parece que nenhuma das declarações acima mencionadas seja passível de ser interpretada como uma declaração de inocência que ilibe totalmente ou sequer parcialmente o casal McCann de ausência de culpa e a ti?

Como vês, as cogitações sobre os últimos 3 anos já me (nos) transportaram em círculo para um presente onde tudo se mantêm quase na mesma; estou em crer que ainda há-de haver uma ou outra surpresa antes do casal voltar a tentar suprimir a inalienável realidade dos factos pela intimidação e pela censura.

Indubitavelmente, se vivêssemos num mundo Huxleyano idealizado pelos McCann também a suprimiriam (à verdade) da nossa memória colectiva; ditosamente nem com uma overdose massiva de Soma nos apagam a memória.

De facto existe uma pequena teimosa pedra, que jamais será levantada, debaixo da bota que o casal calçou: é que a Verdade é persistente, resiliente; e tal como o Azeite vem sempre ao de cima!

Bom, tenho que ir ali dar de comer aos gatos, não vá dar-se o caso de toparem com um rato,

Um beijinho, e um abraço amigo, continuação de bom Verão

Joana M.

Lisboa, 3 de Agosto 2010

Addendum: Reproduzo aqui as esclarecedoras palavras de um outro querido amigo, uma resposta a um néscio que achou “muito bem” que o livro tivesse sido censurado.

Devo realmente ser de uma ingenuidade a toda a prova. Sim, porque, se a sua tese estiver correcta (se bem entendi, essa tese resume-se a uma palavra, e essa palavra é “dinheiro”), então Maddie foi mesmo raptada por um pedófilo. Mr. Mitchell largou o posto que tinha por amor à verdade. Os pais da criança não ganharam absolutamente nada com a história. Não há nem nunca houve qualquer envolvimento do MI5, logo, do Governo britânico, e, no fim, de contas, este caso é igualzinho a todos os outros desaparecimentos não resolvidos.

Portanto, na mesma lógica (meia dúzia de desvalidos mentais, entre os quais eu próprio, que se equivocaram em toda a linha), se o livro tivesse sido publicado por simples amor à “causa”, isto é, inteiramente de borla para os leitores, então a tese do assassinato e ocultação de cadáver já teria credibilidade? Não coloca, por conseguinte, sequer a hipótese de o livro surgir porque este homem foi (além de demitido, mas isso é “amendoins”) absolutamente e vergonhosamente enxovalhado, e foi isso o que o levou a defender-se como pôde e pode? E se o livro provocar – de alguma forma – a reabertura do processo, isso também não é justificação suficiente, ao menos a nível das intenções subjacentes?

Realmente, se nada disto tiver ponta por onde se lhe pegue, devo reconhecer sem quaisquer caganças que não me serviu de nada andar por cá há 48 anos, e que não fiz outra coisa neste tempo todo senão ver passar os comboios.

Acho que o H. está, se me permite a franqueza, redondamente enganado neste particular.

Mas enfim, é como diz, nisso tem toda a razão, “se todos podem opinar, eu também opino…”

P.S.: Muito a propósito, o casal McCann ameaça processar todos os blogs que sequer “discutam” A Verdade da Mentira. Infelizmente, não especificam se são todos, se são só os que “discutem” o livro para dizer mal deles, casal, ou se estão excluídos os blogs que “discutem” o dito livro para desancar no autor e para louvar o também dito casal de extremosos progenitores.


Nota a 4 de Agosto 2010: “O processo Freeport é o terceiro mais caro da história judicial portuguesa, depois de Camarate e da investigação ao desaparecimento de Madeleine McCann. Implicou diversas diligências, entre perícias e viagens ao estrangeiro, e todos os meios estiveram ao dispor dos investigadores.”

29 Jul 2010, Edição Público Porto, pág. 9


30 comments:

  1. Aguardo serenamente o dia em que assistirei à queda do casal mais mediaticamente maquievélico deste século.

    A sua queda, como sempre defendi, não virá de dentro de Portugal porque as pessoas que têm esse poder não têm coluna vertebral como as alforrecas. Mas há pessoas de extrema coragem e rigor em determinados países na Europa que ajudarão a atingir a verdade.

    E esse comboío já está em movimento.

    Sejamos pacientes. Um dia é da caça outro é do caçador.

    ReplyDelete
  2. Excelente carta, esta, de uma noite de Verão!

    Muito boa e muito bem. Parabéns.

    MC

    ReplyDelete
  3. As friend of mine has, once in a while, used for my posts in my blog: "genial!!"

    You've used in this post one Portuguese saying that I inetnd to explore in a later date "the truth is like olive oil in water, it ALWAYS comes to the top", and I'll leave you with another in which I truly believe that this case is all about "as hard as rock may be, the continued hitting of soft water will end up breaking it" (may the purists pardon me for such an "on the knee" translation...).

    Textusa

    ReplyDelete
  4. Desde as 7 da manhã que ando aqui a pensar o que comentar sobre este post. Tudo o que me ocorre parece-me pequeno, medíocre, acanhado perante uma missiva destas. Nenhum elogio me parece suficiente... Nenhuma citação adequada...

    De modo que - por agora - vais ter de te contentar com um silêncio embaraçado, e uma gratidão sem fim.

    ReplyDelete
  5. English translation please please please. Thank You.

    ReplyDelete
  6. has anyone read "Another Place & Time" by Dr. Martin Roberts on the McCannfiles?

    Absolutely astounding

    ReplyDelete
  7. Querida Joana,fiquei«speechless».Tudo __TUDO __ o que temos pensado, imaginado,deduzido,concluido, tudo isso tu dizes,escreves,provas e acusas como só os de boa-fé sabem e podem fazer.
    Este caso é tão aberrantemente semelhante àquele outro,que parece que,informados do que se tinha passado em Portimão,estes assassinos decidiram levar a cabo a mesma saga - mais aperfeiçoada,mais detalhada,mais intrigante e,sobretudo,mais proveitosa. Tiveram tempo,conhecimentos,apoios e meios(técnicos,inclusive)para o fazer. Se um«Zé-Ninguém»soube usar um serrote e uma faca para dissecar e desmembrar na perfeição um cadáver de 8 anos,que dizer de um cirurgião cardiologista com um cadáver de 3...?(Assistido por colegas).A sequência do caso foi a mesma,acrescida do mediatismo e do poder.Para o filme ser de puro terror,só falta inserir canibalismo nos hábitos preversos e bárbaros destes seres des-humanos. Um beijo de gratidão da tua Amiga A.

    ReplyDelete
  8. Fiquei gá-gá com a concisão e fluência de ideias! Só falta a tradução para Inglês ler...

    ac

    ReplyDelete
  9. Joana, descreveste com clareza, exactidao e sentido de humor uma serie de acontecimentos que, quando considerados na sua totalidade, sao quase incriveis.
    Digo "quase" porque infelizmente --- por dificil que pareca --- foram, e sao, bem reais.

    Ainda nao compreendi o papel das autoridades portuguesas nesta historia vergonhosa.
    Foram realmente pressionadas pelos ingleses ou sao apenas cobardes e corruptas?
    Qualquer que seja a razao, comportaram-se de forma inaceitavel no que diz respeito ao combate ao crime, do qual a Maddie foi vitima, e defesa da justica em Portugal. Apressaram-se a silenciar os resultados de uma investigacao oficial, nao teriam sido mais celeres se os seus ordenados fossem pagos pelos McCann...

    Parabens e obrigada por uma resenha magnifica. xx

    ReplyDelete
  10. Joana, muito bem escrito mas que trabalheira!
    Os McCanns ainda têm um dinheirão e já devem ter mandado traduzir o que escrevestes.
    Prá mim tu deves ser o inimigo nr.1 deles pois tu não desistes (e nós também não).
    Tu escreves sobre snobs, sociedade hierarquizada...
    Os McCanns de classe alta, snobs? de jeito nenhum!
    A Philomene McCann, snob e com classe?
    Aquilo não tem a ver com classe alta não, a familia lá não tem classe alguma.Dá para ver na cara de todos e também na cara dos Paynes, Jane Tanner e alguns outros do Tapas.
    São gente de nível baixo e de comportamento abominável.
    O inglês deve enxergar isto, qdo vê uma reportagem.
    Nada de snob. O poder deles deve estar vindo de outra coisa.
    Os colegas do Gerry que pertencem à classe alta devem evitar muito contato com ele.
    Subir em status na Inglaterra é dificílimo, mesmo tendo diploma universitário.Tu lestes a última publicação no McCannfiles?

    ReplyDelete
  11. Anon 6 -

    Yes, I have read Dr Martin Roberts article and, as always, he hits the spot with his reenactment of this 'must be read' book.

    I was loaned the book last year by a friend who is convinced the McCanns are involved in Maddie's disappearance although,like most of us, has no positive idea of what that involvement was, apart from obvious abandonment of their very young children that week, an unforgivable crime in itself.

    The old days were no different from today as far as criminality is concerned, but at least today we have the benefit of DNA tests which, hopefully, one day if justice is served, may tell us all we need to know about this modern day notorious and baffling crime!

    JUSTICE FOR MADELEINE!

    ReplyDelete
  12. Uma carta fantástica, sintática, direitinha ao assunto.
    Muito bem Joana, de si não se poderia esperar outra coisa.

    ReplyDelete
  13. Cara Anónimo(a) 11,

    Como vai o Brasil por estes dias?

    Deixe-me fazer-lhe um pequeno reparo ao seu comentário.

    Note que eu não qualifico nem sequer rotulo o status social a que pertence o casal McCann na “Little England”, uma sociedade que é substancialmente mais estratificada que a sua e/ou a minha, dividindo-se em múltiplas subcategorias subjacentes às comummente ditas centrais: alta, média e baixa. E digo-lhe já que não é do meu carácter avaliar indivíduos ou sequer diferencia-los segundo arquétipos pós-marxistas e outros que são redutores das aptidões de cada um. O que eu citei foi somente a reprodução ipsissimis verbis que compatriotas do casal McCann consideram, e bem a meu ver, como uma explicação viável para os tratamentos díspares entre, por exemplo, o casal McCann e o casal Matthews, devido justamente às tais divisões sociais perniciosas.

    Dito isto não deixa de ser, pelo menos para mim, notória a ambição do casal de alcançar um determinado status social, comprovada pela campanha mediática que preconizaram cultivando uma imagem de “starlets”, a qual pressupostamente foi feita para publicitar «o desaparecimento da filha Madeleine (resta saber se foi uma divulgação à marca registada ou ao Ser Humano)» - uma noção que foi igualmente reforçada pelo empenho do casal em se associar a nomes sobejamente conhecidos desde a classe politica à classe empresarial, e a outras celebridades “jet-setianas”.

    No entanto, não é a ambição oportunista do casal, nem a avidez gananciosa em colectar capitais para o fundo sem fundo, nem o cursozeco em medicina que lhes vai permitir «ascender» ao tal cobiçado status.

    E passo a explicar porquê, é que existem questões mais complexas além da simples educação académica, além das fúteis «aparências» externas, além do «mimicar» de comportamentos sociais. Ou seja, é imprescindível ter Cultura, Sabedoria e uma genuína dose de Integridade, substâncias que nenhum deles parece ter.

    Ainda me recordo, e diga-se de passagem com um certo gozo pessoal, quando à porta do Palácio da Justiça em Lisboa, entre sorrisos que raiavam o pusilânime e o acéfalo as “starlets” McCann receberam radiantes em mãos os nossos Cravos Vermelhos – símbolos incontestáveis da Liberdade do Povo Português, da Liberdade de Expressão, da Revolução do 25 de Abril de 1974.

    Para finalizar, espero francamente que tenha recolhido e deduzido algo mais “Carta de uma Noite de Verão” para além da temática a que se referiu.

    Um abraço “cross Atlantic” desde Portugal,

    Joana

    ReplyDelete
  14. Obrigada a todos pelos gentis cumprimentos, um abraço amigo, beijinhos e continuação de bom Verão. Até breve.

    ReplyDelete
  15. Just read Martin Roberts article - another great piece, a very thorough man. On a lighter note, ust found this:

    http://4.bp.blogspot.com/_u0U9QWpnPqk/S160J5E8pKI/AAAAAAAAAA8/CDbHoavrze8/s1600-h/scumpage1.gif

    Haha

    ReplyDelete
  16. 16...

    quote
    Ha Ha..
    unquote

    your contributed link..adds to the debate..how ?

    darn I just answered that myself

    isar

    ReplyDelete
  17. Alas, I am not lusophone enough to read Joana's OP

    I am looking forward to a proper translation though-there are some dodgy babelfish/google translations going around-I fear

    So, vis-a-vis nothing, I plant this kernel of a thought here..
    happy for admin to never let it see forum light.

    Inverted snobbery...that's when the 'working' classes or in case of Modern England the 'benefit receiving' classes shorthand for the lame/sick/lazy have a go at the affluent few who made it by sheer power of will-to better themselves.

    Kate and Gerry both come from humble origins...not a silver spoon in sight...they studied hard and achieved their qualifications at a time when these weren't just given away to fulfill quotas and to satisfy a quango.

    The ire that attracts that modest success in fora is down to the 'tall poppy syndrome'...prevelant in England (don't know about the Celtic fringes-I never venture there)

    poppy grows too tall-chop it off (an English past time)- class insecurity-and as unappatising as the proper: I'm Lord..you are peasant, snobbery

    shorthand..yet again...I, the hating poster.. tatooed up to the neck..living on benefits..and I don't have enough dosh from the social to get a decent fridge (sorry) to chill my white lightning cider to get me through the day.

    - but at least I never lost a kiddo !!!!

    The murderous docs. live in mansions and swan around the world in private jets....it's not fair innit ?

    A very large number of the haters get their fuel from this inverted snobbery...

    always have done/always will do - regardless of forum

    The class system in England is alive and well-and holding her back as it has always done.

    (post is for the benefit of those living outside the UK)

    isar

    ReplyDelete
  18. 14, Joana, um abraço daqui do Brasil frio.
    Obrigada pelas explicações.
    Entendi melhor o teus escritos.
    Será que aquilo foi acidente mesmo?

    ReplyDelete
  19. Nao ha duvida que so um casal de psicopatas narcizistas poe a circular na Belgica um camiao com um 'outdoor' retratando a sua filha com a mesma imagem que divulgaram nos media quando a perderam. Demonstram uma especie de prazer morbido em relembrar e partilhar uma imagem que para a maioria dos pais seria um marco de dor e lagrimas profundas e portanto um simbolo para guardar e santificar na intimidade do seu mundo privado.
    Estes pais esqueceram sempre a dor, que qualquer que tenha sido o destino da sua crianca, ela sofreu. Vivem do circo que criaram. E em portugal ha um sistema judicial que finge nada ver, por comodismo e serventia a um conjunto de advogados que so por pura coincidencia, vemos que lambem sempre os casos a envolverem politicos ou famosos e se pavoneiam em tudo quanto e TV opinando ou melhor, vomitando, o que ja todos sabemos-NADA!

    ReplyDelete
  20. Seria um exercicio interessante sabermos como chegam os Mccann em tao pouco tempo, a advogados como Pinto de Abreu, Rogerio Alves e Isabel Duarte, e como alguns destes advogados entraram no esterlato das TVs comentando tudo quanto se relaciona com a justica e com casos mal resolvidos, sempre a defenderem o moribundo PGR e as suas dubias, obsoletas e apalhacadas decisoes. Alguem recomendou estes advogados aos Mccann e quem o fez sabia que havia um crime serio a ser investigado, pondo de lado a tese dos pais inocentes e do eventual acidente, e sabia que iam necessitar nao de bons advogados mas de advogados com excelentes ligacoes ao aparelho da justica e do poder. Uma vergonha que ha-de tocar as teias do Freeport em "n" pontos e essa foi a sorte dos Mccann e o azar da PJ. Mas o povo portugues esta longe de estar adormecido e este crime nao ha-de ser outro Camarate. Esperemos que um dia alguem tenha uma luz na consciencia e exponha e denuncie as jogadas que destruiram internacionalmente a imagem de Portugal.

    ReplyDelete
  21. Anon at 16 thanks for the link - I'd love to see that newspaper and article on our newspaper stands!! brilliant.

    ReplyDelete
  22. O sistema judicial português está a cair aos bocados. Basta ler as notícias, todos os dias há fulano que diz mal de sicrano que no dia anterior disse mal de beltrano... As acusações saltam com tal rapidez e virulência que já ninguém sabe quem disse o quê. E tudo por causa do Freeport, o tal caso que se suspeita serviu de "moeda de troca" para o caso Maddie. Não é por acaso que ambos servem de (triste) exemplo do que de pior, de mais vergonhoso e execrável se fez - e continua a fazer! - na Justiça portuguesa.
    Este lavar de roupa suja vai continuar até não restar nada de pé.
    Sempre acreditei que o caso Maddie se resolveria no dia em que se zangassem as comadres. Pensava eu que as comadres seriam os amigos do casal de pais extremosos... mas afinal pode ser que as comadres que se vão zangar, estejam bem mais perto de nós do que os amigos ingleses.
    Vivemos tempos conturbados. Pode ser que desta convulsão resulte uma sociedade melhor, mais justa, mais isenta, e principalmente, mais VERDADEIRA.
    Bem-haja, Joana, por este texto maravilhoso.
    E os ingleses que pobrezitos! se queixam que não o conseguem ler... que vão dar uma volta, e grande se fazem favor, que este blogue não tem nada que "servir" suas excelências, a toda a hora.

    ReplyDelete
  23. ISAR
    What on earth have your comments (pasted below) to do with the fact that a supposedly well educated couple left their three babies night after night to go drinking and "dining" with friends - even after the almost four year complained about being abandoned. If you believe the McCanns behaviour was "within the bounds of responsible parenting" I trust the Social Services have been alerted to the well being of any children under your guardianship.
    Comus

    Kate and Gerry both come from humble origins...not a silver spoon in sight...they studied hard and achieved their qualifications at a time when these weren't just given away to fulfill quotas and to satisfy a quango.

    The ire that attracts that modest success in fora is down to the 'tall poppy syndrome'...prevelant in England

    ReplyDelete
  24. Isar 18 (post is for the benefit of those living outside the UK)

    Your benefit post gives superfluous information, for that matter my post telling you this is superfluous too. Let's go back to what really matter, namely what happened to Madeleine McCann. You said it yourself: '- but at least I never lost a kiddo !!!!'

    Regards from one of those living outside the UK.

    ReplyDelete
  25. @Anon 18

    Please don't insult with that old chestnut that anyone wanting to know the truth about what happened to Maddie, is motivated by jealousy.

    There is nothing in the McCanns' dishonest and shallow existence that I wish for or aspire to.

    I suspect any inverted snobbery is your own.

    ReplyDelete
  26. @26,well said,i think anon 18 is only here to try to divert, dont fall for it.

    ReplyDelete
  27. To 26

    I am just a snob

    -nothing inverted about me

    isar

    ReplyDelete
  28. 27..

    divert from what ?

    the agenda ?
    party line ?
    the grand design ?

    do illucidate

    isar

    ReplyDelete
  29. @29,oh please give some people a bit of credit, any one can see that you are not at all interested in madeleine and what happend to her,but lucky for madeleine there are a lot of people who do care.

    ReplyDelete