1.Everyone shall possess the right to freely express and publicise his thoughts in words, images or by any other means, as well as the right to inform others, inform himself and be informed without hindrance or discrimination 2.Exercise of the said rights shall not be hindered or limited by any type or form of censorship Constitution of the Portuguese Republic, Article 37.º

Censuras & Difamação I

Estou realmente surpreendida, há artigos/posts em blogs e fóruns, bem como artigos nos meios de comunicação social britânicos on-line a serem apagados. Este Knapman tenebroso que critica dubiamente a nossa Polícia Portuguesa, criou um enorme mal-estar entre os corredores de Estrasburgo e a Downing Street. Ainda ontem li e guardei este artigo no site do Daily Mail http://www.dailymail.co.uk/pages/live/articles/news/news.html?in_article_id=493561&in_page_id=1770 hoje este artigo Já não aparece!!!

Madeleine police are 'corrupt and amateur'
Last updated at 11:00am on 14th November 2007
Portuguese police investigating the disappearance of Madeleine McCann have been accused of being corrupt and carrying out a flawed investigation.
The accusations are contained in a letter sent from the office of British MEP Roger Knapman to a woman who had lobbied several MEPs complaining of the damage the case was doing to UK-Portugal relations.
The letter, sent from the office of the MEP for the South-West of England, says: "The Portuguese police and judicial system is known to be suspect.
"Elements of the police are corrupt... the original police investigation was amateurish and flawed.
"It is important to realise that Portugal has no real history of citizen's rights and liberties or democracy."
It points out that Portugal became a democracy only 30 years ago.
The letter was written on Mr Knapman's behalf, by Piers Merchant, a former Tory MP who was forced to quit after his affair with a 17-year-old hostess.
He now works as an assistant to Mr Knapman at the UK Independence Party.
The national director of Portugal's Policia Judicial federation said Mr Merchant's comments were "unacceptable and irresponsible".

Madeleine: Eurodeputado britânico de extrema-direita tenta minimizar acusações a Portugal

eurodeputado britânico de extrema-direita Roger Knapman procurou hoje minimizar a polémica causada por uma carta escrita por um assistente seu onde são feitas graves acusações à polícia e justiça portuguesas no âmbito do "caso Maddie".

Em declarações a jornalistas portugueses, em Estrasburgo, Knapman alegou que os excertos da carta publicados pela imprensa britânica foram adulterados.

Na cópia que forneceu aos jornalistas, no entanto, as acusações são as mesmas: "o sistema judicial português tem um processo de interrogatório em que as pessoas são denunciadas como suspeitas sem qualquer prova".

Confrontado com o facto de suspeito, no sistema judicial português, não ser sinónimo de culpado e a justiça se reger pelo princípio da presunção da inocência, Knapman manteve a sua opinião: "suspeito é parcialmente culpado", disse.

A carta foi enviada a uma cidadã britânica que lançou uma petição no âmbito do desaparecimento da menina inglesa Madeleine McCann a 03 de Maio, no Algarve.

O eurodeputado, que integra o grupo político de extrema-direita Independência e Democracia, alegou ainda que "durante muito tempo não houve democracia em Portugal" e que "o sistema judicial não mudou nos últimos 30 anos".

Knapman considerou também que a investigação policial foi mal conduzida de início e sublinhou, a sustentar a sua tese, que "um dos responsáveis foi afastado do caso por incompetência".

A carta enviada na terça-feira foi assinada por Piers Merchant, um assistente do eurodeputado que foi membro do Parlamento pelo Partido Conservador e afastado devido a um escândalo sexual que envolveu uma menor de 17 anos.

Na missiva lê-se ainda que "é importante ter em conta que Portugal não tem uma verdadeira história de direitos dos cidadãos, liberdades ou democracia".

As alegações de Knapman e do seu assistente foram entretanto repudiadas por eurodeputados portugueses.

"A pessoa que vem falar em independência dos tribunais, fazendo acusações inqualificáveis, é a mesma que se recusa a aceitar a Carta de Direitos Fundamentais europeia", sublinhou o social-democrata Carlos Coelho.

Por seu lado, a socialista Edite Estrela lembrou que as acusações "vêm de um partido que é contra a Europa e de um assessor que tem um passado duvidoso", reiterando a sua confiança nas autoridades portuguesas.

As críticas a Knapman foram ainda subscritas por Miguel Portas (Bloco de Esquerda) e Ilda Figueiredo (comunista).

O eurodeputado do CDS-PP José Ribeiro e Castro apresentou já um protesto junto do presidente do Parlamento Europeu.

Madeleine McCann desapareceu a 03 de Maio de um apartamento turístico na Praia da Luz, no Algarve, onde se encontrava com dois irmãos gémeos, enquanto os pais jantavam com amigos num restaurante próximo.

lusa

No comments:

Powered by Blogger.