1.Everyone shall possess the right to freely express and publicise his thoughts in words, images or by any other means, as well as the right to inform others, inform himself and be informed without hindrance or discrimination 2.Exercise of the said rights shall not be hindered or limited by any type or form of censorship Constitution of the Portuguese Republic, Article 37.º

Madeleine: Organismo britânico analisa queixas contra ataque de tablóide ao embaixador português

A comissão para as queixas sobre a imprensa britânica recebeu meia centena de reclamações contra uma crónica publicada num tablóide onde o embaixador português no país é atacado por declarações sobre o "caso Madeleine".

"Chegaram cerca de 50 queixas de todo o mundo, na maioria de [cidadãos] portugueses, mas também de outras nacionalidades", adiantou à agência Lusa um porta-voz do organismo estatal [Press Complaints Comission em inglês, PCC].

A comissão vai agora analisar o conteúdo das reclamações e a legislação que é invocada nas queixas para "decidir se se justifica uma investigação mais profunda", disse a mesma fonte.

Em causa está uma crónica no diário "Daily Mirror" publicada na segunda-feira onde o autor qualifica declarações do embaixador português no Reino Unido, António Santana Carlos, sobre o "caso Madeleine" como "estúpidas e desnecessárias".

Assinado pelo polémico jornalista Tony Parsons, este cita uma entrevista do diplomata ao diário "The Times" no passado sábado.

Nesta, o embaixador afirma que em Portugal "as famílias vivem todas juntas", razão pela qual, sugere, alguns portugueses terão criticado os McCann por terem deixado os seus filhos sozinhos a dormir num apartamento enquanto jantavam num restaurante próximo.

"Eles erraram, embaixador. As vidas deles foram destruídas. Isso é um castigo suficiente, sem os seus comentários estúpidos e desnecessários", escreve o articulista do Mirror, que aconselha que no futuro Santana Carlos "mantenha fechada a boca estúpida e trituradora de sardinhas".

O conteúdo da crónica, assim como o provocador título "Oh, up yours, senor", foi considerado por vários portugueses como uma "ofensa escandalosa", iniciando uma corrente de correios electrónicos a incitar a apresentação de uma queixa à PCC.

Os autores deste apelo invocam uma infracção à lei de ordem pública de 1986 - a qual proíbe os insultos raciais ou o uso de termos que instiguem o ódio racial - e que no artigo em causa teria atingido os portugueses.

O assunto originou também dezenas de comentários na página electrónica do tablóide, onde pessoas de diferentes nacionalidades, incluindo vários que se identificam como britânicos, condenam Parsons, enquanto outros concordam.

A PCC tenciona tomar uma primeira decisão sobre os procedimentos a tomar neste caso "dentro de duas a três semanas", podendo, se decidir prosseguir, pedir esclarecimentos ao jornal, disse o porta-voz à agência Lusa.

Se a publicação for considerada culpada, esta poderá ser obrigada a retratar-se nas suas páginas.

A agência Lusa tentou obter um comentário do "Daily Mirror" às queixas apresentadas, mas até ao momento não obteve resposta.

Também o embaixador António Santana Carlos recusou reagir à polémica, estando a ponderar uma tomada de posição mais formal, adiantou fonte da representação diplomática portuguesa, remetendo para a entrevista ao "Times" os esclarecimentos sobre o intuito das suas palavras.

31 de Outubro de 2007 | 16:42
lusa

No comments:

Powered by Blogger.