1.Everyone shall possess the right to freely express and publicise his thoughts in words, images or by any other means, as well as the right to inform others, inform himself and be informed without hindrance or discrimination 2.Exercise of the said rights shall not be hindered or limited by any type or form of censorship Constitution of the Portuguese Republic, Article 37.º

Publico:PJ admite inocência do casal McCann


à procura de Maddie


A PJ admite a hipótese de Madeleine McCann ter sido morta, no apartamento, por um intruso, que depois transportou e escondeu o seu corpo. Esta nova tese de homicídio foi reforçada pelo testemunho de uma amiga do casal, que afirmou ter visto, na noite de 3 de Maio, um homem com uma criança ao colo, na estrada, junto ao aldeamento Ocean Club. c Portugal



PJ admite inocência do casal McCann

26.11.2007, Paula Torres de Carvalho e Idálio Revez


Madeleine poderá ter sido morta
no apartamento por um intruso
que, depois, transportou o corpo
e o escondeu. É uma das hipóteses

Este é o desenho do homem que Tanner terá visto, feito por um especialista e que a família McCann divulgou

Era fácil conhecer as rotinas do casal MacCann. Raramente saíam do aldeamento da Praia da Luz onde passavam férias no Algarve havia uma semana. Passeavam e comiam a horas mais ou menos certas na companhia do seu grupo de amigos. As crianças deitavam-se cedo como em Inglaterra. A noite era para os adultos. Era fácil para quem observasse saber exactamente a melhor altura para entrar no apartamento - no crepúsculo, quando Kate e Gerry se afastassem para jantar e o movimento diminuísse na rua. A oportunidade surgiria, seria fácil aproximar-se, tocar, cheirar a frágil menina loura e de olhos grandes.
Foi num instante. Mas um imprevisto traiu as expectativas do desejo. Um grito da criança britânica, desperta do seu sono. O medo que se ouvisse. A urgência de a calar. A violência. Provavelmente a asfixia. E a morte inesperada. Tudo em minutos. Agora, era preciso tirá-la dali. Fechar a porta. Fugir depressa.
A hipótese de esta ser a explicação para o desaparecimento de Madeleine McCann, na noite de 3 de Maio, já fora praticamente afastada pelos investigadores da PJ. Mas, agora, ganha cada vez mais força no núcleo de investigação.
O testemunho de uma das amigas do casal que também passava férias na Praia da Luz contribuiu para reforçar esta tese. Jane Tanner afirmou ter visto, nessa noite, um homem com uma criança ao colo, na estrada, junto ao aldeamento.
Esta é uma das outras hipóteses que estão agora a ser avaliadas pela PJ de Portimão, além da que aponta para o possível envolvimento do casal McCann no desaparecimento de sua filha Madeleine. As convicções em que até há muito pouco tempo os polícias se apoiavam tornaram-se mais frágeis, sobretudo depois de o responsável da directoria de Portimão, Paulo Rebelo, ter começado a liderar a investigação.
A ele juntou-se um grupo de experientes polícias em várias áreas da investigação criminal que analisam, agora, uma "árvore de hipóteses" do que poderá ter acontecido na noite em que Maddie desapareceu do quarto onde dormia com os irmãos gémeos no Ocean Club. A probabilidade de o seu desaparecimento ter sido obra de um intruso volta a ser seriamente considerada, embora nenhuma das outras hipóteses esteja excluída.
Discretamente, os investigadores continuam a trabalhar no caso até altas horas da noite, ora no terreno, ora na elaboração de relatórios e na discussão sobre os dados recolhidos, considerando novas hipóteses e afastando outras. Nas instalações da PJ, as luzes não se apagam senão muito tarde.
A investigação prolonga-se para Inglaterra. Já estão a ser ultimados os preparativos para a viagem muito em breve dos inspectores da PJ que levam um especialista em ADN e do magistrado do Ministério Público. Levarão as cartas rogatórias contendo as perguntas que a polícia inglesa deverá fazer a Kate e Gerry McCann.
Fim do segredo de justiça?
Contrariando as expectativas quanto à utilidade dos resultados das análises realizadas pelo laboratório de Birmingham aos vestígios recolhidos nos apartamentos da Praia da Luz e nos automóveis do casal MacCann e dos seus amigos para o esclarecimento do caso, alguns responsáveis da PJ consideram que esse tipo de análises em nada contribuirão para dar novas pistas à polícia.
Duvidam também que os cães utilizados pela polícia inglesa possam ter detectado odor a cadáver. Se a criança, de facto, morreu no quarto, o curto período em que lá permaneceu terá sido suficiente para que tenham sido libertados odores? Que processos de transformação biológica ocorrem na primeira hora após a morte? São questões para as quais procuram resposta.
Se o juiz decretar o fim do segredo de justiça e autorizar que o processo seja tornado público no início do próximo ano, ao abrigo das novas normas do Código do Processo Penal, poderá verificar-se uma grande reviravolta na investigação.
A nova lei que privilegia a publicidade em relação ao segredo estabelece que todos os processos são públicos sob pena de nulidade e o Ministério Público é obrigado a requerer o segredo de justiça para os casos em que entende que este deve vigorar. Os arguidos, neste caso, o casal McCann e Robert Murat, poderão consultar o processo e requerer novas diligências.
Para alguns inspectores da PJ, isso poderá representar o início de uma nova investigação.
Na Praia da Luz, a persiana está corrida e a porta fechada do apartamento de onde desapareceu Maddie. Os turistas partiram, as ruas estão semidesertas e o Ocean Club encerrou até à próxima época balnear. Mas os jornalistas vão aparecendo, de vez em quando, na tentativa de encontrar alguma notícia e as gentes da terra ainda olham, em redor, à procura de Maddie.


Na Caixa:
Imprensa centra atenções numa alemã

26.11.2007

Detectives espanhóis com novas informações

Michaela Walczuch, uma alemã de 34 anos, residente no Algarve, foi este fim-de-semana personagem central nas histórias publicadas pela imprensa britânica sobre o caso Madeleine McCann. O Mirror noticiou que há "dúvidas sobre o álibi" que a mulher - descrita como namorada de Robert Murat, arguido no caso Maddie - apresentou para a noite de 3 de Maio, quando a menina desapareceu. O Mirror diz que a alemã "mentiu" à polícia e que não esteve, como disse quando foi interrogada, numa reunião de Testemunhas de Jeová, em Lagos. O Mirror cita mesmo um membro das Testemunhas, Teófilo Castela. Também os detectives da Metodo 3, empresa espanhola contratada por Kate e Gerry McCann, estão a investigar Walczuch e Murat. A Metodo 3 diz, segundo o Telegraph, que tem novas informações sobre a ligação de ambos ao desaparecimento de Maddie. Há pessoas que dizem ter visto Walczuch com uma menina ao colo, em Silves, em Maio, e em Marrocos, mais tarde.


No comments:

Powered by Blogger.